Poesias Nonsense

Soneto da vontade dele

 

 

De repente do pranto, o riso
Da espuma, silenciosa e branca como a bruma
As bocas se uniram
Do espanto fez-se as mãos espalmadas
Do vento de repente à calmaria.
A última chama que dos olhos que se esquivava,
Se refez
O pressentimento foi afogado com o ressurgiu da paixão
Do drama pairou o imóvel momento
De repente, não mais que de repente
A tristeza, se fez o amante
E de contente o que se fazia sozinho
E de perto fez-se amigo o que até então era distante
De uma vida aventureira errante,
De repente, não mais que de repente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: