Poesias Nonsense

O FINGIR DO AMOR

POSSO FINGIR? DEVO.
MAS E QUANDO OLHAR?

AGORA VIVO
NOS PLANALTOS IMUNDOS
ENTRE A MORALIDADE E A RACIONALIDADE
MAS SEU OLHAR
ME AMOLECE, DESCONCENTRA
UM SIMPLES ATEU, PAGÃO E CRISTÃO
VIVO MEU PRANTO
SEM ENCANTO…
AS VESTES DE UM NOVO SANTO
ENTRO NA MINHA ALMA
E SOFRO POR NÃO PODER, JAMAIS
SENTIR E FINGIR,
O QUE A ALMA PENA!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: