Poesias Nonsense

Memórias

Permita, quem sabe, a memória
Com olhar que penetra e me afoita
Permita, quem sabe, se esconda
Debaixo de importunas sombras.

Que as palavras descartadas e arredias;
As silabas aplumadas sobre o esteio fizeram
Despertar, sem preocupação, esta redondilha
Que a flavus; aos poucos lhe entrego

Posto que é chama, que arda.
Posto que é ferida, que doa.
Permita-me, Deus, que morra

Sem antes toca-lá, fúlvia
Saciando a intacta sede
Adentrando-a, você cede?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: