Poesias Nonsense

Da Despedida…

Escreva, no fundo da epiderme, o fim deste encanto
Transcreva, no fundo da hipoderme, não há santo…
Prenda em sua memória, se capaz for, com adraganto
O fim, ignore, leve este último piricanto!

Como um canto, a reprise deste encanto
Com espanto, percebes que não há encanto?
Não há, entre os mortais, nenhum santo
Princípios, jogue todos em algum canto!

O fim daquilo que tanto você negou…
O fim disposto do que tanto insuflou,
Devolvo-te tua atribulada rotina

Não existe, percebes, maneira de voltar
Não existe, ligação, capaz de resgatar
Guarde esta canção, para algum dia arrebatar!

(Antonio Archangelo)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: