Poesias Nonsense

Desagoneio

Percebes a inigualável quimera?
Quem entre os moucos assevera?
Chama que destroi e te espera
Na leitosa bruma, prouvera?

Esperá-lo-ás como num devaneio?
Esperá-lo-ia! Num desagoneio
Na brisa matutina permeio
Essa quimera por quem esperneio…

Onde estás a camurça-cetim?
Caminhou a trilha, a Flor-de-cetim
Esquecê-lo-ás as silabas deste folhetim

Onde estás a senhora-dama, perdida num festim?
Dançaste com desconhecido a valsa pantim?
Esquecê-lo-ei a melodia doce do flautim!

(Antonio Archangelo)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: