Escola da Pluralidade Filosofia

Physiologoi: Demócrito e Leucipo de Abdera

Devemos insistir na questão de saber se são esses mesmos átomos que produzem descanso também - como eles poderiam fazê-lo, é difícil e até impossível dizer.
democrito
leucipo

Arqué: átomos.

Aristóteles, na alma, 1.3:

Alguns chegam ao ponto de sustentar que os movimentos que a alma confere ao corpo em que ela se encontra são do mesmo tipo daqueles com os quais ela mesma é movida. Um exemplo disso é Demócrito, que usa uma linguagem como a do dramaturgo cômico Philippus, que explica os movimentos que Daedalus transmitiu à sua Afrodite de madeira, dizendo que ele derramou mercúrio nela; Da mesma forma, Demócrito diz que os átomos esféricos que segundo ele constituem a alma, devido aos seus próprios movimentos incessantes, atraem o corpo inteiro atrás deles e assim produzem seus movimentos. Devemos insistir na questão de saber se são esses mesmos átomos que produzem descanso também – como eles poderiam fazê-lo, é difícil e até impossível dizer. E, em geral, podemos objetar que não é desta maneira que a alma parece originar o movimento em animais – é através da intenção ou processo de pensamento.

Aristóteles, Física:

Livro 1: Todos os pensadores concordam em fazer os princípios contrários, tanto aqueles que descrevem o Todo como um e impassível (pois até Parmênides trata o quente e o frio como princípios sob os nomes do fogo e da terra) e também os que usam o raro e o denso. O mesmo se aplica a Demócrito também, com seu plenário e vazio, ambos os quais existem, diz-se, um como sendo, o outro como não-ser. Mais uma vez ele fala de diferenças de posição, forma e ordem, e estes são gêneros dos quais as espécies são contrárias, a saber, de posição, acima e abaixo, antes e atrás; de forma, angular e sem ângulo, reto e redondo.

Livro 4: Devemos começar a investigação colocando o relato dado por aqueles que dizem que existe, depois o relato daqueles que dizem que ele não existe e terceiro a visão atual sobre essas questões. Aqueles que tentam mostrar que o vazio não existe não desmentem o que as pessoas realmente querem dizer com isso, mas apenas seu modo errôneo de falar; isso é verdade para Anaxágoras e para aqueles que refutam a existência do vazio dessa maneira. Eles apenas dão uma demonstração engenhosa de que o ar é algo – forçando as peles de vinho e mostrando a resistência do ar, e cortando-o em clepsidras. Mas as pessoas realmente querem dizer que existe um intervalo vazio no qual não há corpo sensível. Eles sustentam que tudo o que está no corpo é corpo e dizem que o que não tem nada é vazio (então o que está cheio de ar é vazio). Não é então a existência de ar que precisa ser provada, mas a inexistência de um intervalo, diferente dos corpos, separável ou real – um intervalo que divide todo o corpo de modo a quebrar sua continuidade, como Demócrito e Leucippus espera, e muitos outros físicos – ou até mesmo como algo que está fora de todo o corpo, que permanece contínuo. Essas pessoas, então, não atingiram nem mesmo o limiar do problema, mas sim aquelas que dizem que o vazio existe. Eles argumentam, por um lado, que a mudança no lugar (ou seja, locomoção e aumento) não seria. Pois se sustenta que o movimento parece não existir, se não houvesse vazio, já que o que está cheio não pode conter mais nada. Se pudesse, e houvesse dois corpos no mesmo lugar, também seria verdade que qualquer número de corpos poderia estar junto; pois é impossível traçar uma linha de divisão além da qual a afirmação se tornaria falsa. Se isso fosse possível, seguir-se-ia também que o menor corpo conteria o maior; pois “muitos fazem um pouco”: assim, se muitos corpos iguais puderem estar juntos, também podem existir muitos corpos desiguais. Melissus, de fato, infere dessas considerações que o Todo é imutável; pois, se fosse movido, deveria, diz ele, ser vazio, mas vazio não está entre as coisas que existem. Esse argumento, então, é uma maneira de mostrar que existe um vazio. Eles raciocinam a partir do fato de que algumas coisas são observadas para contrair e ser comprimidas, como as pessoas dizem que um barril irá reter o vinho que anteriormente o preencheu, junto com as peles nas quais o vinho foi decantado, o que implica que o corpo comprimido se contrai. nos vazios presentes nele. Mais uma vez, pensa-se que o aumento também ocorre sempre por meio do vazio, pois o alimento é o corpo, e é impossível que dois corpos estejam juntos. Prova disso são as cinzas, que absorvem tanta água quanto o vaso vazio. Os pitagóricos também afirmaram que o vazio existe e que ele entra no próprio céu, que, por assim dizer, o inspira, do ar infinito. Além disso, é o vazio que distingue a natureza das coisas, como se fosse como o que separa e distingue os termos de uma série. Isso se mantém principalmente nos números, pois o vazio distingue sua natureza. Estes, então, e tantos, são os principais motivos pelos quais as pessoas têm argumentado e contra a existência do vazio.

Aristóteles, Meteorologia, 365b:

Nós devemos continuar a discutir os terremotos a seguir, pois a causa deles é semelhante ao nosso último assunto … Demócrito diz que a terra está cheia de água e que quando uma quantidade de água da chuva é adicionada a isso, um terremoto é o resultado. As cavidades na terra, sendo incapaz de admitir o excesso de água, forçam sua entrada e, assim, causam um terremoto. Ou, novamente, a terra seca seca a água das partes mais cheias às mais vazias, e a irrupção da água, à medida que muda de lugar, causa o terremoto.

Aristóteles, Metafísica, 985b:

Leucipo, no entanto, e seu discípulo Demócrito afirmam que os elementos são o Completo e o Vazio – chamando um “o que é” e o outro “o que não é”. Destes eles identificam o completo ou sólido com “o que é”, e o vazio ou raro com “o que não é” (daí sustentam que o que não é não é menos real do que o que é, porque o Vazio é tão real quanto o Corpo); e eles dizem que estas são as causas materiais das coisas. E assim como aqueles que fazem da substância subjacente uma unidade geram todas as outras coisas por meio de suas modificações, assumindo raridade e densidade como primeiros princípios dessas modificações, então esses pensadores sustentam que “diferenças” são as causas de todo o resto. Essas diferenças, dizem, são três: forma, arranjo e posição; porque eles sustentam que o que é diferente apenas no contorno, contato e inclinação (Desses contornos significa forma, disposição entre contatos e posição de inclinação). Assim, por exemplo, A difere de N na forma, AN de NA na disposição e Z de N em posição. Quanto ao movimento, de onde e como surge nas coisas, eles casualmente ignoraram esse ponto, muito mais do que os outros pensadores fizeram. Tal, então, como eu digo, parece ser a extensão das indagações que os primeiros pensadores fizeram nesses dois tipos de causa.

Demócrito
Fonte: http://basedafilosofia.blogspot.com/2010/03/conhecimento-missao-07-os-pre.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: