Filosofia Política

DAS QUATRO SANÇÕES OU FONTES DE DOR E PRAZER por Jeremy Bentham

Os bens de um homem, ou sua pessoa, são consumidos pelo fogo. Se isso aconteceu com ele pelo que é chamado de acidente, foi uma calamidade: se, por causa de sua própria imprudência (por exemplo, por deixar de apagar a vela), pode ser considerado um castigo da sanção física.

I.

Foi demonstrado que a felicidade dos indivíduos, dos quais uma comunidade é composta, isto é, seus prazeres e sua segurança, é o fim e o único fim que o legislador deve ter em vista: o único padrão, em conformidade com que cada indivíduo deve, na medida em que depende do legislador, ser feito para moldar seu comportamento. Mas, seja isso ou qualquer outra coisa a ser feita, não há nada pelo qual um homem possa finalmente ser feito para fazê-lo, mas dor ou prazer. Tendo tomado uma visão geral desses dois grandes objetos (a saber, o prazer e o que acontece com a mesma imunidade à dor), no caráter das causas finais; será necessário ter uma visão do prazer e da própria dor, no caráter de causas ou meios eficientes.

II.

Existem quatro fontes distinguíveis das quais o prazer e a dor são usados para fluir: considerados separadamente, eles podem ser chamados de físico, político, moral e religioso: e na medida em que os prazeres e dores de cada um deles são capazes de dar força vinculativa a qualquer lei ou regra de conduta, todos eles podem ser chamados de sanções. †

III.

Se na vida atual e no curso comum da natureza, não modificado propositadamente pela interposição da vontade de qualquer ser humano, nem por qualquer interposição extraordinária de qualquer ser invisível superior, que o prazer ou a dor ocorra ou Como é esperado, pode-se dizer que emite ou pertence à sanção física.

IV.

Se nas mãos de uma pessoa em particular ou de um grupo de pessoas da comunidade, cujos nomes correspondam aos de juiz, forem escolhidos com o objetivo específico de dispensá-lo, de acordo com a vontade do poder soberano ou supremo no estado, pode-se dizer que resulta da sanção política.

V.

Se nas mãos de tais pessoas casuais da comunidade, como a parte em questão, ao longo de sua vida, tiver preocupações, de acordo com a disposição espontânea de cada homem, e não de acordo com qualquer regra estabelecida ou combinada, pode ser diz-se que resulta da sanção moral ou popular.

VI.

Se da mão imediata de um ser invisível superior, seja na vida presente ou no futuro, pode-se dizer que isso provém da sanção religiosa.

VII.

Prazeres ou dores que se espera que resultem das sanções físicas, políticas ou morais, todos devem ser experimentados, se alguma vez, na vida atual: aqueles que se espera que resultem da sanção religiosa, podem espera-se que seja experimentado na vida presente ou no futuro.

VIII.

Aqueles que podem ser experimentados na vida presente, é claro, não podem ser outros que não sejam suscetíveis à natureza humana no decorrer da vida atual: e de cada uma dessas fontes pode fluir todos os prazeres ou dores dos quais, no No curso da vida atual, a natureza humana é suscetível. No que diz respeito a estes, então (com os quais, por si só, temos alguma preocupação), aqueles que pertencem a qualquer uma dessas sanções não diferem, em última análise, em espécie daqueles que pertencem a qualquer uma das outras três: a única A diferença entre eles reside nas circunstâncias que acompanham sua produção. Um sofrimento que convém a um homem no curso natural e espontâneo das coisas deve ser denominado, por exemplo, uma calamidade; nesse caso, se for suposto que ele seja imprudente por qualquer imprudência dele, pode ser denominado um castigo decorrente da sanção física. Agora, esse mesmo sofrimento, se infligido por lei, será o que é comumente chamado de punição; se incorridos por falta de qualquer assistência amistosa, que a má conduta, ou suposta má conduta, do sofredor ocasionou ser retida, uma punição emitida pela sanção moral; se através da interposição imediata de uma providência específica, uma punição emitida pela sanção religiosa….

IX.

Os bens de um homem, ou sua pessoa, são consumidos pelo fogo. Se isso aconteceu com ele pelo que é chamado de acidente, foi uma calamidade: se, por causa de sua própria imprudência (por exemplo, por deixar de apagar a vela), pode ser considerado um castigo da sanção física: se aconteceu com ele pela sentença do magistrado político, uma punição pertencente à sanção política – isto é, o que é comumente chamado de punição: se por falta de qualquer assistência que seu vizinho lhe ocultasse por alguma aversão a seu caráter moral , uma punição da sanção moral: se por um ato imediato do desagrado de Deus, manifestado por algum pecado cometido por ele, ou por qualquer distração da mente, ocasionada pelo pavor de tal desagrado, uma punição da sanção religiosa. *

X.

Quanto aos prazeres e dores da sanção religiosa, no que diz respeito a uma vida futura, de que tipo podem ser, não podemos saber. Estes não estão abertos à nossa observação. Durante a vida atual, são matéria apenas de expectativa: e, se essa expectativa deriva da religião natural ou revelada, o tipo particular de prazer ou dor, se for diferente de todos os que estão abertos à nossa observação, é o que podemos não faço ideia. As melhores idéias que podemos obter de tais dores e prazeres são totalmente sem liquidez em termos de qualidade. Em que outros aspectos nossas idéias sobre eles possam ser liquidadas, serão consideradas em outro local. †

XI.

Dessas quatro sanções, o físico é totalmente, podemos observar, o trabalho de base do político e do moral: o mesmo acontece com os religiosos, na medida em que este último tenha relação com a vida atual. Está incluído em cada um dos outros três. Isso pode funcionar em qualquer caso (isto é, qualquer uma das dores ou prazeres pertencentes a ele pode operar) independentemente deles: nenhum deles pode operar senão por meio disso. Em uma palavra, os poderes da natureza podem operar por si mesmos; mas nem o magistrado, nem os homens em geral, podem operar, nem Deus, no caso em questão, deve operar, mas através dos poderes da natureza.

XII.

Para esses quatro objetos, que em sua natureza têm muito em comum, parecia útil encontrar um nome comum. Pareceu útil, em primeiro lugar, a conveniência de dar um nome a certos prazeres e dores, para os quais um nome igualmente característico dificilmente poderia ser encontrado: em segundo lugar, por uma questão de manter a eficácia de certas forças morais, cuja influência é suscetível de não ser suficientemente atendida. A sanção política exerce influência sobre a conduta da humanidade? A moral, as sanções religiosas, também o fazem. Em cada centímetro de sua carreira, as operações do magistrado político são passíveis de serem auxiliadas ou impedidas por essas duas potências estrangeiras: quem, uma ou outra delas, ou ambas, com certeza serão seus rivais ou aliados. Acontece a ele deixá-los de fora em seus cálculos? Ele quase certamente se encontrará enganado no resultado. De tudo isso, encontraremos provas abundantes na sequência deste trabalho. Cabe a ele, portanto, tê-los continuamente diante de seus olhos; e que, sob esse nome, exibe a relação que eles têm com seus próprios propósitos e projetos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: