aristoteles Filosofia

Metafísica de Aristóteles: Livro XII, Parte 7

Aqueles que supõem, como os pitagóricos e Espeusipo, que a beleza e a bondade supremas não estão presentes no começo, porque os inícios das plantas e dos animais são causas, mas a beleza e a perfeição estão nos efeitos delas, estão errados em suas considerações...

Como (1) esse é um relato possível do assunto e (2) se não fosse verdade, o mundo teria saído da noite e “todas as coisas juntas” e fora do não-ser, essas dificuldades podem ser consideradas como resolvidas. 

Há, então, algo que é sempre movido com um movimento incessante, que é o movimento em círculo; e isso é claro, não apenas na teoria, mas na verdade. Portanto, o primeiro céu deve ser eterno. Há, portanto, também algo que a move. E como o que se move e se move é intermediário, há algo que se move sem ser movido, sendo eterno, substância e atualidade. E o objeto do desejo e o objeto do pensamento se movem dessa maneira; eles se movem sem serem movidos. Os objetos primários do desejo e do pensamento são os mesmos. Pois o bem aparente é o objeto do apetite, e o bem real é o objeto principal do desejo racional. 

Mas o desejo é consequente na opinião, e não na opinião; pois o pensamento é o ponto de partida. E o pensamento é movido pelo objeto do pensamento, e uma das duas colunas de opostos é em si o objeto do pensamento; 

E nisso a substância é a primeira e, na substância, aquilo que é simples e existe de fato. (O único e o simples não são os mesmos; pois “um” significa uma medida, mas “simples” significa que a coisa em si tem uma certa natureza.)

 Mas o belo, também, e o que é por si só desejável estão no mesma coluna; e o primeiro de qualquer classe é sempre o melhor, ou análogo ao melhor. E o pensamento é movido pelo objeto do pensamento, e uma das duas colunas de opostos é em si o objeto do pensamento; e nisso a substância é a primeira e, na substância, aquilo que é simples e existe de fato. (O único e o simples não são os mesmos; pois “um” significa uma medida, mas “simples” significa que a coisa em si tem uma certa natureza.) Mas o belo, também, e o que é por si só desejável estão no mesma coluna; e o primeiro de qualquer classe é sempre o melhor, ou análogo ao melhor. E o pensamento é movido pelo objeto do pensamento, e uma das duas colunas de opostos é em si o objeto do pensamento; e nisso a substância é a primeira e, na substância, aquilo que é simples e existe de fato. (O único e o simples não são os mesmos; pois “um” significa uma medida, mas “simples” significa que a coisa em si tem uma certa natureza.) 

Mas o belo, também, e o que é por si só desejável estão no mesma coluna; e o primeiro de qualquer classe é sempre o melhor, ou análogo ao melhor. ) Mas também o belo e o que é desejável estão na mesma coluna; e o primeiro de qualquer classe é sempre o melhor, ou análogo ao melhor. ) Mas também o belo e o que é desejável estão na mesma coluna; e o primeiro de qualquer classe é sempre o melhor, ou análogo ao melhor.

Que uma causa final possa existir entre entidades imutáveis ​​é demonstrada pela distinção de seus significados. Pois a causa final é (a) alguns para cujo bem uma ação é feita e (b) algo para o qual a ação visa; e destes, o último existe entre entidades imutáveis, embora o primeiro não. 

A causa final, então, produz movimento como sendo amada, mas todas as outras coisas se movem sendo movidas. Agora, se algo é movido, é capaz de ser diferente do que é. Portanto, se sua atualidade é a forma primária de movimento espacial, na medida em que está sujeita a alterações, a esse respeito é capaz de estar de outra maneira – no lugar, mesmo que não seja substancial.

Mas, como existe algo que se move, enquanto imóvel, existindo de fato, isso não pode ser de outro modo que não é. Pois o movimento no espaço é o primeiro dos tipos de mudança, e movimento em círculo o primeiro tipo de movimento espacial; e isso o primeiro motor produz. 

O primeiro motor, então, existe por necessidade; e, na medida em que existe por necessidade, seu modo de ser é bom e, nesse sentido, é um primeiro princípio. Pois o necessário tem todos esses sentidos – aquilo que é necessário forçosamente porque é contrário ao impulso natural, aquilo sem o qual o bem é impossível e aquilo que não pode ser de outro modo, mas só pode existir de uma única maneira.

Nesse princípio, portanto, dependem dos céus e do mundo da natureza. E é uma vida como a melhor da qual desfrutamos, e desfrutamos por um curto período de tempo (pois está sempre neste estado, o que não podemos ser), pois sua atualidade também é prazer. (E, por esse motivo, a vigília, a percepção e o pensamento são mais agradáveis, e as esperanças e as memórias são tão devidas a isso.) E o pensamento em si lida com o que é melhor em si mesmo e com o que está pensando em sentido pleno aquilo que é melhor no sentido mais pleno. 

 E o pensamento pensa em si mesmo porque compartilha a natureza do objeto do pensamento; pois se torna um objeto de pensamento ao entrar em contato e pensar em seus objetos, de modo que o pensamento e o objeto de pensamento são os mesmos. Pois aquilo que é capaz de receber o objeto do pensamento, isto é, a essência, é o pensamento. Mas é ativo quando possui esse objeto. 

Portanto, a posse e não a receptividade é o elemento divino que o pensamento parece conter, e o ato de contemplação é o que é mais agradável e melhor. Se, então, Deus está sempre naquele bom estado em que às vezes estamos, isso compele nossa maravilha; e se, de uma maneira melhor, isso o obriga ainda mais. E Deus está em um estado melhor. E a vida também pertence a Deus; pois a realidade do pensamento é vida, e Deus é essa realidade; e a realidade auto-dependente de Deus é a vida mais boa e eterna. 

Dizemos, portanto, que Deus é um ser vivo, eterno, muito bom, de modo que a vida e a duração contínua e eterna pertencem a Deus; pois isso é Deus. e o ato de contemplação é o que é mais agradável e melhor. Se, então, Deus está sempre naquele bom estado em que às vezes estamos, isso compele nossa maravilha; e se, de uma maneira melhor, isso o obriga ainda mais. E Deus está em um estado melhor. E a vida também pertence a Deus; pois a realidade do pensamento é vida, e Deus é essa realidade; e a realidade auto-dependente de Deus é a vida mais boa e eterna. Dizemos, portanto, que Deus é um ser vivo, eterno, muito bom, de modo que a vida e a duração contínua e eterna pertencem a Deus; pois isso é Deus. e o ato de contemplação é o que é mais agradável e melhor. Se, então, Deus está sempre naquele bom estado em que às vezes estamos, isso compele nossa maravilha; e se, de uma maneira melhor, isso o leva ainda mais. E Deus está em um estado melhor. E a vida também pertence a Deus; pois a realidade do pensamento é vida, e Deus é essa realidade; e a realidade auto-dependente de Deus é a vida mais boa e eterna. Dizemos, portanto, que Deus é um ser vivo, eterno, muito bom, de modo que a vida e a duração contínua e eterna pertencem a Deus; pois isso é Deus. e a realidade auto-dependente de Deus é a vida mais boa e eterna. Dizemos, portanto, que Deus é um ser vivo, eterno, muito bom, de modo que a vida e a duração contínua e eterna pertencem a Deus; pois isso é Deus. e a realidade auto-dependente de Deus é a vida mais boa e eterna. Dizemos, portanto, que Deus é um ser vivo, eterno, muito bom, de modo que a vida e a duração contínua e eterna pertencem a Deus; pois isso é Deus.

Aqueles que supõem, como os pitagóricos e Espeusipo, que a beleza e a bondade supremas não estão presentes no começo, porque os inícios das plantas e dos animais são causas, mas a beleza e a perfeição estão nos efeitos delas, estão errados em suas considerações. Pois a semente vem de outros indivíduos que são anteriores e completos, e a primeira coisa que não é semente, mas o ser completo; por exemplo, devemos dizer que antes da semente existe um homem, não o homem produzido a partir da semente, mas outro de quem a semente vem.

É claro, então, pelo que foi dito que existe uma substância que é eterna, imóvel e separada das coisas sensíveis. Também foi demonstrado que essa substância não pode ter magnitude, mas é sem partes e indivisível (pois produz movimento através do tempo infinito, mas nada finito tem poder infinito; e, embora toda magnitude seja infinita ou finita, não pode, por a razão acima, possui magnitude finita e não pode ter magnitude infinita porque não existe magnitude infinita). Mas também foi demonstrado que é impassível e inalterável; pois todas as outras mudanças são posteriores à mudança de lugar.

Fonte: Internet Classics Archive . Uma tradução alternativa está disponível no Perseus .

Leitura sugerida:

Para uma tradução mais recente, considere comprar T. Irwin e G. Fine Aristotle: Selections (Hackett, 1995). Neste volume, leia as páginas 335-8.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: