Filosofia Utilitarismo

Das aplicações da liberdade por John Stuart Mill

A limitação em número, por exemplo, de cervejas e casas de bebidas com o objetivo expresso de torná-las mais difíceis de acesso e de diminuir as ocasiões de tentação, não apenas expõe tudo a um inconveniente, porque há quem a instalação o faria ser um abuso, mas é adequado apenas a um estado da sociedade em que as classes trabalhadoras são declaradamente tratadas como crianças ou selvagens, e colocadas sob uma educação de contenção, para ajustá-las à futura admissão nos privilégios da liberdade.

Os princípios afirmados nestas páginas devem ser mais geralmente admitidos como base para a discussão de detalhes, antes que uma aplicação consistente deles a todos os vários departamentos do governo e da moral possa ser tentada com qualquer perspectiva de vantagem.

As poucas observações que proponho fazer sobre questões de detalhes são projetadas para ilustrar os princípios, em vez de segui-los até suas consequências. Eu ofereço, não tantas aplicações, como amostras de aplicação; que pode servir para esclarecer melhor o significado e os limites das duas máximas que, juntas, formam toda a doutrina deste Ensaio, e para ajudar o julgamento a manter o equilíbrio entre eles, nos casos em que parecer duvidoso qual deles é aplicável para o caso.

As máximas são, em primeiro lugar, que o indivíduo não é responsável perante a sociedade por suas ações, na medida em que elas dizem respeito aos interesses de ninguém senão ele próprio. Aconselhamento, instrução, persuasão e evasão de outras pessoas, se consideradas necessárias por eles para seu próprio bem, são as únicas medidas pelas quais a sociedade pode justificadamente expressar sua aversão ou desaprovação à sua conduta. Em segundo lugar, que, por ações que sejam prejudiciais aos interesses de outras pessoas, o indivíduo é responsável e pode ser sujeito a punições sociais ou legais, se a sociedade considerar que um ou outro é necessário para sua proteção.

Em primeiro lugar, não se deve, de maneira alguma, supor que o dano, ou a probabilidade de dano, aos interesses dos outros, possa justificar a interferência da sociedade, que, portanto, sempre justifica tal interferência. Em muitos casos, um indivíduo, ao perseguir um objeto legítimo, necessariamente e, portanto, legitimamente causa dor ou perda a outros, ou intercepta um bem que eles tinham uma esperança razoável de obter. Tais oposições de interesse entre indivíduos geralmente surgem de más instituições sociais, mas são inevitáveis ​​enquanto durarem essas instituições; e alguns seriam inevitáveis ​​em quaisquer instituições. Quem consegue uma profissão superlotada ou um exame competitivo; quem é preferido a outro em qualquer disputa por um objeto que ambos desejam, colhe benefícios da perda de outros, de seu esforço desperdiçado e de sua decepção. Mas é, por admissão comum, melhor para o interesse geral da humanidade, que as pessoas busquem seus objetos, sem se deixar intimidar por esse tipo de conseqüência. Em outras palavras, a sociedade não admite direitos, legais ou morais, nos concorrentes decepcionados, à imunidade a esse tipo de sofrimento; e sente-se chamado a interferir, somente quando tiverem sido empregados meios de sucesso que sejam contrários ao interesse geral permitir – a saber, fraude ou traição e força.

Mais uma vez, o comércio é um ato social. Quem se compromete a vender qualquer descrição de bens ao público, faz o que afeta o interesse de outras pessoas e da sociedade em geral; e, assim, sua conduta, em princípio, fica sob a jurisdição da sociedade: portanto, era uma vez considerado dever dos governos, em todos os casos considerados importantes, fixar preços e regular os processos de fabricação.


Mas agora é reconhecido, embora não até depois de uma longa luta, que tanto o preço baixo quanto a boa qualidade das mercadorias sejam efetivamente previstos, deixando os produtores e vendedores perfeitamente livres, sob a única verificação de liberdade igual para os compradores para fornecer. em outros lugares.

Essa é a chamada doutrina do livre comércio, que se baseia em motivos diferentes, embora igualmente sólidos, com o princípio da liberdade individual afirmado neste ensaio. Restrições ao comércio, ou à produção para fins comerciais, são de fato restrições; e toda restrição, quá restrição, é um mal; mas as restrições em questão afetam apenas a parte da conduta que a sociedade é competente para restringir, e estão erradas apenas porque realmente não produzem os resultados que se deseja produzir por elas.

Como o princípio da liberdade individual não está envolvido na doutrina do livre comércio, o mesmo não ocorre na maioria das questões que surgem respeitando os limites dessa doutrina: como por exemplo, que quantidade de controle público é admissível para a prevenção de fraudes por adulteração; até que ponto as precauções sanitárias ou medidas para proteger os trabalhadores empregados em ocupações perigosas devem ser impostas aos empregadores. Tais questões envolvem considerações de liberdade, apenas na medida em que deixar as pessoas para si mesmas é sempre melhor, cæteris paribus, do que controlá-las: mas que elas possam ser legitimamente controladas para esses fins, é em princípio inegável.

Por outro lado, existem questões relacionadas à interferência no comércio, que são essencialmente questões de liberdade; como a Lei do Maine, já mencionada; a proibição da importação de ópio para a China; a restrição da venda de venenos; em todos os casos, em suma, em que o objetivo da interferência é tornar impossível ou difícil obter uma mercadoria específica. Essas interferências são objetáveis, não como violações à liberdade do produtor ou vendedor, mas à do comprador.

Um desses exemplos, o da venda de venenos, abre uma nova questão; os limites adequados do que pode ser chamado de funções da polícia; até que ponto a liberdade pode ser legitimamente invadida para a prevenção do crime ou do acidente. É uma das funções incontestáveis ​​do governo tomar precauções contra o crime antes que ele seja cometido, além de detectá-lo e puni-lo posteriormente.

A função preventiva do governo, no entanto, é muito mais suscetível de ser abusada, em prejuízo da liberdade, do que a função punitiva; pois dificilmente existe parte da legítima liberdade de ação de um ser humano que não admitiria estar representada, e de maneira bastante razoável, como aumentar as facilidades para alguma forma ou outra de delinquência. No entanto, se uma autoridade pública, ou mesmo uma pessoa privada, vir alguém evidentemente se preparando para cometer um crime, ele não ficará inativo até que o crime seja cometido, mas poderá interferir para evitá-lo. Se os venenos nunca foram comprados ou usados ​​para qualquer finalidade, exceto a comissão de assassinato, seria correto proibir sua fabricação e venda.

Eles podem, no entanto, ser procurados não apenas por inocentes, mas para fins úteis, e restrições não podem ser impostas em um caso sem operar no outro. Novamente, é um escritório apropriado da autoridade pública para se proteger contra acidentes. Se um funcionário público ou qualquer outra pessoa visse uma pessoa tentando atravessar uma ponte que fora considerada insegura, e não houvesse tempo para avisá-lo de seu perigo, eles poderiam apreendê-lo e devolvê-lo, sem nenhuma infração real de sua liberdade; pois a liberdade consiste em fazer o que se deseja, e ele não deseja cair no rio.

No entanto, quando não há uma certeza, mas apenas um perigo de malícia, ninguém, a não ser a própria pessoa, pode julgar a suficiência do motivo que pode levá-la a correr o risco: neste caso, portanto (a menos que seja criança) , delirante, ou em algum estado de excitação ou absorção incompatível com o pleno uso da faculdade refletora), ele deve, creio eu, ser avisado apenas do perigo; não forçosamente impedido de se expor a ele. Considerações semelhantes, aplicadas a uma questão como a venda de venenos, podem permitir-nos decidir quais dos possíveis modos de regulamentação são ou não contrários aos princípios. Tal precaução, por exemplo, como rotular a droga com alguma palavra expressiva de seu caráter perigoso, pode ser aplicada sem violação da liberdade: o comprador não pode querer não saber que a coisa que possui possui qualidades venenosas. Mas exigir em todos os casos o certificado de um médico tornaria às vezes impossível, sempre caro, obter o artigo para usos legítimos.

O único modo aparente para mim, no qual as dificuldades podem ser colocadas no caminho do crime cometido por esse meio, sem qualquer infração, vale a pena levar em conta, a liberdade daqueles que desejam a substância venenosa para outros fins, consiste em fornecer o que , na linguagem apropriada de Bentham, é chamada de “evidência pré-nomeada”. Essa disposição é familiar a todos no caso de contratos. É habitual e correto que a lei, quando um contrato seja celebrado, exija como condição de sua execução obrigatória que certas formalidades sejam observadas, como assinaturas, atestado de testemunhas e similares, para que, no caso de das controvérsias subseqüentes, pode haver evidências para provar que o contrato foi realmente celebrado e que não havia nada nas circunstâncias para torná-lo legalmente inválido: o efeito era lançar grandes obstáculos no caminho de contratos fictícios ou contratos firmados em circunstâncias que, se conhecidas, destruiriam sua validade. Precauções de natureza semelhante podem ser aplicadas na venda de artigos adaptados para serem instrumentos de crime.

O vendedor, por exemplo, pode ser solicitado a registrar em um registro o horário exato da transação, o nome e o endereço do comprador, a qualidade e a quantidade exata vendida; perguntar o propósito para o qual era desejado e registrar a resposta que ele recebeu. Quando não havia receita médica, poderia ser necessária a presença de uma terceira pessoa para levar o fato ao comprador, caso posteriormente houvesse motivos para acreditar que o artigo havia sido aplicado para fins criminais. Tais regulamentos, em geral, não constituiriam um impedimento material para a obtenção do artigo, mas muito considerável para o seu uso indevido sem detecção.

O direito inerente à sociedade, de afastar os crimes contra si mesma por precauções antecedentes, sugere as óbvias limitações à máxima, de que a má conduta puramente egoísta não pode ser adequadamente interferida no caminho da prevenção ou punição.

A embriaguez, por exemplo, em casos comuns, não é um assunto adequado para interferência legislativa; mas eu deveria considerar perfeitamente legítimo que uma pessoa, que já foi condenada por qualquer ato de violência a outras pessoas sob a influência de bebida, seja submetida a uma restrição legal especial, pessoal para si mesma; que, se depois fosse encontrado bêbado, deveria ser punido e, se nesse estado cometer outra ofensa, a punição pela qual seria responsável por essa outra ofensa deveria ser aumentada em severidade.

Tornar-se bêbado, em uma pessoa cuja embriaguez se empolga em fazer mal aos outros, é um crime contra os outros. Assim, novamente, a ociosidade, exceto em uma pessoa que recebe apoio do público, ou exceto quando constitui uma quebra de contrato, não pode, sem a tirania, ser sujeita a punição legal; mas se, por ociosidade ou por qualquer outra causa evitável, um homem deixa de cumprir seus deveres legais com os outros, como por exemplo, apoiar seus filhos, não é uma tirania forçá-lo a cumprir essa obrigação, por trabalho obrigatório, se não houver outra meios estão disponíveis.

Mais uma vez, existem muitos atos que, sendo diretamente prejudiciais apenas aos próprios agentes, não devem ser interditados legalmente, mas que, se praticados publicamente, são uma violação de boas maneiras e, portanto, pertencem à categoria de ofensas a terceiros. Entrada. Desse tipo são ofensas contra a decência; em que é desnecessário insistir, pelo contrário, como eles estão apenas indiretamente conectados ao nosso assunto, a objeção à publicidade é igualmente forte no caso de muitas ações que não são condenáveis ​​em si mesmas, nem que deveriam ser.

Há outra questão para a qual é preciso encontrar uma resposta, consistente com os princípios estabelecidos. Nos casos de conduta pessoal supostamente culpável, mas que o respeito à liberdade impede a sociedade de impedir ou punir, porque o mal diretamente resultante recai inteiramente sobre o agente; o que o agente é livre para fazer, as outras pessoas devem ser igualmente livres para aconselhar ou instigar?

Esta questão não está livre de dificuldades. O caso de uma pessoa que solicita que outra pessoa faça um ato não é estritamente um caso de conduta auto-referente. Dar conselhos ou oferecer incentivos a alguém é um ato social e, portanto, pode, como ações em geral que afetam outros, ser passível de controle social. Mas um pouco de reflexão corrige a primeira impressão, mostrando que, se o caso não está estritamente dentro da definição de liberdade individual, ainda assim as razões pelas quais o
princípio da liberdade individual é fundamentado, é aplicável a ele. Se for permitido às pessoas, no que interessa apenas a si mesmas, agir como parecer melhor para si mesmas por sua própria conta e risco, devem igualmente estar livres para consultar-se sobre o que está apto a ser feito; trocar opiniões e dar e receber sugestões. Tudo o que é permitido fazer, deve ser permitido aconselhá-lo a fazer.

A questão é duvidosa, apenas quando o instigador obtém um benefício pessoal de seus conselhos; quando ele faz sua ocupação, para subsistência ou ganho pecuniário, promover o que a sociedade e o estado consideram um mal. Então, de fato, um novo elemento de complicação é introduzido; ou seja, a existência de classes de pessoas com um interesse oposto ao que é considerado como bem-estar público, e cujo modo de vida se baseia na contração dele. Isso deveria interferir ou não? A fornicação, por exemplo, deve ser tolerada, assim como o jogo; mas deve uma pessoa ser livre para ser cafetão ou para manter uma casa de apostas? O caso é um daqueles que se encontram na linha de fronteira exata entre dois princípios, e não é ao mesmo tempo evidente a qual dos dois pertence adequadamente. Existem argumentos de ambos os lados. No lado da tolerância, pode-se dizer que o fato de seguir qualquer coisa como ocupação e viver ou lucrar com a prática dela não pode tornar aquele criminoso que de outra forma seria admissível; que o ato deve ser consistentemente permitido ou consistentemente proibido; que, se os princípios que até aqui defendemos forem verdadeiros, a sociedade não tem como negócio decidir como algo errado que diz respeito apenas ao indivíduo; que não pode ir além da dissuasão e que uma pessoa deve ser tão livre para persuadir quanto outra para dissuadir.

Em oposição a isso, pode-se argumentar que, embora o público, ou o Estado, não seja garantido ao decidir com autoridade, para fins de repressão ou punição, que tal ou qual conduta que afeta apenas os interesses do indivíduo é boa ou ruim, eles estão plenamente justificados em supor, se o consideram ruim, que seja assim ou não, pelo menos, uma questão discutível: que, supondo que isso, eles não podem estar agindo de maneira errada ao tentar excluir a influência de solicitações que não sejam desinteressadas, de instigadores que não podem ser imparciais – que têm um interesse pessoal direto de um lado, e aquele que o Estado acredita estar errado e que o promovem confessadamente apenas para objetos pessoais.

Certamente, pode-se insistir, não há nada perdido, nenhum sacrifício do bem, ordenando assuntos que as pessoas façam sua eleição, de maneira sábia ou tola, por iniciativa própria, o mais livre possível das artes das pessoas que estimulam suas inclinações para propósitos interessados. Assim (pode-se dizer), embora os estatutos que respeitam os jogos ilegais sejam totalmente indefensáveis ​​- embora todas as pessoas devam ser livres para jogar nas próprias casas ou nas casas de outros, ou em qualquer local de reunião estabelecido por suas próprias assinaturas, e aberto apenas para os membros e seus visitantes – mas as casas de apostas públicas não devem ser permitidas. É verdade que a proibição nunca é eficaz e que, independentemente da quantidade de poder tirânico que é dada à polícia, as casas de jogo sempre podem ser mantidas sob outras pretensões; mas podem ser compelidos a conduzir suas operações com um certo grau de segredo e mistério, para que ninguém saiba nada sobre eles, a não ser quem os procura; e mais do que isso, a sociedade não deve visar. Há força considerável nesses argumentos; Não ousarei decidir se são suficientes para justificar a anomalia moral de punir o acessador, quando o diretor tiver (e deve ter) permissão para libertar-se; ou multar ou aprisionar o procurador, mas não o fornicador, o detentor da casa de apostas, mas não o apostador. Menos ainda, as operações comuns de compra e venda devem ser interferidas por razões análogas.

Quase todo artigo comprado e vendido pode ser usado em excesso, e os vendedores têm interesse pecuniário em incentivar esse excesso; mas nenhum argumento pode ser fundamentado nisso, a favor, por exemplo, da Lei do Maine; porque a classe de traficantes de bebidas fortes, embora interessada em seus abusos, é indispensável para o seu uso legítimo. O interesse, no entanto, desses traficantes em promover a intemperança é um verdadeiro mal e justifica o Estado em impor restrições e exigir garantias, que, exceto por essa justificativa, seriam violações da liberdade legítima.

Uma outra questão é se o Estado, embora o permita, deve, indiretamente, desencorajar condutas que considere contrárias aos melhores interesses do agente; se, por exemplo, deve-se tomar medidas para tornar os meios de embriaguez mais caros ou aumentar a dificuldade de adquiri-los, limitando o número dos locais de venda. Sobre isso, como na maioria das outras questões práticas, muitas distinções precisam ser feitas.

Taxar estimulantes com o único objetivo de torná-los mais difíceis de serem obtidos é uma medida que difere apenas em grau de toda a sua proibição; e seria justificável apenas se isso fosse justificável. Todo aumento de custo é uma proibição para aqueles cujos meios não chegam ao preço aumentado; e para aqueles que o fazem, é uma penalidade imposta a eles por gratificarem um gosto particular. Sua escolha de prazeres e seu modo de gastar sua renda, depois de cumprir suas obrigações legais e morais para com o Estado e com os indivíduos, são uma preocupação deles e devem depender de seu próprio julgamento.

Essas considerações podem parecer à primeira vista condenar a seleção de estimulantes como sujeitos especiais de tributação para fins de receita. Mas é preciso lembrar que a tributação para fins fiscais é absolutamente inevitável; que na maioria dos países é necessário que uma parte considerável dessa tributação seja indireta; que o Estado, portanto, não pode deixar de impor sanções, que para algumas pessoas podem ser proibitivas, ao uso de alguns artigos de consumo. Portanto, é dever do Estado considerar, na imposição de impostos, quais mercadorias os consumidores podem poupar melhor; e à fortiori, para selecionar, de preferência, aqueles cuja utilização, além de uma quantidade muito moderada, seja positivamente prejudicial. A tributação, portanto, de estimulantes, até o ponto que produz a maior quantidade de receita (supondo que o Estado precise de toda a receita que produz) não é apenas admissível, mas deve ser aprovada.

A questão de tornar a venda dessas mercadorias um privilégio mais ou menos exclusivo, deve ser respondida de maneira diferente, de acordo com os propósitos aos quais a restrição se destina a ser subserviente. Todos os locais de recurso público exigem a restrição de uma polícia, e locais desse tipo peculiarmente, porque as ofensas contra a sociedade são especialmente suscetíveis de se originarem lá.

Cabe, portanto, limitar o poder de vender essas mercadorias (pelo menos para consumo no local) a pessoas com respeitabilidade de conduta conhecida ou comprovada; fazer regulamentos que respeitem as horas de abertura e fechamento necessárias para a vigilância pública e retirar a licença se violações da paz ocorrerem repetidamente através da conivência ou incapacidade do dono da casa ou se tornar um ponto de encontro para inventar e preparar ofensas contra a lei.

Qualquer outra restrição que eu não considere ser, em princípio, justificável. A limitação em número, por exemplo, de cervejas e casas de bebidas espirituosas, com o objetivo expresso de torná-las mais difíceis de acesso e de diminuir as ocasiões de tentação, não apenas expõe tudo a um inconveniente, porque há quem a instalação o faria. ser abusado, mas é adequado apenas a um estado da sociedade em que as classes trabalhadoras são declaradamente tratadas como crianças ou selvagens, e colocadas sob uma educação de contenção, para ajustá-las à futura admissão nos privilégios da liberdade.

Este não é o princípio sobre o qual as classes trabalhadoras são professamente governadas em qualquer país livre; e nenhuma pessoa que atribuir o devido valor à liberdade dará sua adesão ao fato de serem governados, a menos que todos os esforços tenham sido esgotados para educá-los para a liberdade e governá-los como homens livres, e ficou definitivamente provado que eles só podem ser governados como crianças. A afirmação simples da alternativa mostra o absurdo de supor que tais esforços foram feitos em qualquer caso que precise ser considerado aqui.

É apenas porque as instituições deste país são uma massa de inconsistências que as coisas encontram admissão em nossa prática, pertencentes ao sistema despótico, ou ao que é chamado de governo paterno, enquanto a liberdade geral de nossas instituições impede o exercício da quantidade de controle necessário para restringir qualquer eficácia real como educação moral.

Foi apontado em uma parte inicial deste Ensaio, que a liberdade do indivíduo, nas coisas em que o indivíduo está envolvido sozinho, implica uma liberdade correspondente em qualquer número de indivíduos para regular de comum acordo as coisas que os consideram conjuntamente, e não consideram pessoas, mas elas Esta questão não apresenta dificuldades, desde que a vontade de todas as pessoas envolvidas permaneça inalterada; mas como essa vontade pode mudar, muitas vezes é necessário, mesmo no que diz respeito apenas a eles, que eles entrem em um compromisso um com o outro; e quando o fazem, é adequado, como regra geral, que esses compromissos sejam mantidos. No entanto, nas leis, provavelmente, de todos os países, essa regra geral tem algumas exceções.

Não apenas as pessoas não são mantidas em compromissos que violam os direitos de terceiros, mas às vezes é considerado uma razão suficiente para liberá-las de um compromisso, pois isso é prejudicial para elas. Neste e na maioria dos outros países civilizados, por exemplo, um compromisso pelo qual uma pessoa se venda ou se permita ser vendido como escravo seria nulo; nem imposta por lei nem por opinião. A base para limitar seu poder de dispor voluntariamente de sua própria sorte na vida é aparente e muito claramente vista nesse caso extremo. A razão para não interferir, a não ser em benefício de outras pessoas, com os atos voluntários de uma pessoa, é a consideração por sua liberdade. Sua escolha voluntária é evidência de que o que ele escolhe é desejável, ou pelo menos suportável, para ele, e seu bem é, no geral, o melhor previsto, permitindo-lhe seguir seus próprios meios de persegui-lo.

Mas, ao se vender por um escravo, ele abdica de sua liberdade; ele renuncia a qualquer uso futuro, além desse ato único. Ele, portanto, derrota, no seu próprio caso, o próprio propósito que é a justificativa de permitir que ele se desfaça de si mesmo. Ele não está mais livre; mas, a partir de então, em uma posição que não tem mais a presunção a seu favor, que seria proporcionada por ele permanecer voluntariamente nela. O princípio da liberdade não pode exigir que ele seja livre para não ser livre. Não é liberdade, poder alienar sua liberdade. Essas razões, cuja força é tão visível neste caso peculiar, são evidentemente de aplicação muito mais ampla; todavia, em todos os lugares, um limite é estabelecido pelas necessidades da vida, que exigem continuamente, não de fato que renunciemos à nossa liberdade, mas que devemos consentir com essa e com a outra limitação dela.

O princípio, no entanto, que exige liberdade de ação descontrolada em tudo que diz respeito apenas aos próprios agentes, exige que aqueles que se vincularam uns aos outros, em coisas que não dizem respeito a terceiros, possam se libertar do compromisso: e mesmo sem essa liberação voluntária, talvez não haja contratos ou compromissos, exceto aqueles que se relacionam com dinheiro ou valor do dinheiro, dos quais alguém pode se aventurar a dizer que não deveria haver liberdade de retratação. O barão Wilhelm von Humboldt, no excelente ensaio de que já citei, afirma como convicção de que compromissos que envolvem relações ou serviços pessoais nunca devem ser juridicamente vinculativos além de um período de tempo limitado; e que o mais importante desses compromissos, o casamento, tendo a peculiaridade de que seus objetos são frustrados, a menos que os sentimentos de ambas as partes estejam em harmonia com ele, devem exigir nada além da vontade declarada de qualquer das partes para dissolvê-lo.

Esse assunto é importante e complicado demais para ser discutido entre parênteses, e eu o abordo apenas na medida do necessário para fins ilustrativos. Se a concisão e a generalidade da dissertação do Barão Humboldt não o obrigassem, neste caso, a se contentar em enunciar sua conclusão sem discutir as premissas, ele sem dúvida reconheceria que a questão não pode ser decidida com base em argumentos tão simples quanto aqueles aos quais ele se limita. . Quando uma pessoa, seja por promessa expressa ou por conduta, encoraja outra a confiar em que continua a agir de uma certa maneira – a construir expectativas e cálculos, e apostar qualquer parte de seu plano de vida nessa suposição, uma nova série de obrigações morais surgem de sua parte para com essa pessoa, que pode ser anulada, mas não pode ser ignorada. E novamente, se a relação entre duas partes contratantes foi seguida de consequências para outras; se tiver colocado terceiros em qualquer posição peculiar ou, como no caso do casamento, já tiver convocado terceiros, surgem obrigações de ambas as partes contratantes em relação a esses terceiros, cujo cumprimento ou em que todos os eventos, o modo de cumprimento, deve ser bastante afetado pela continuidade ou interrupção da relação entre as partes originais do contrato.

Não se segue, nem posso admitir, que essas obrigações se estendam a exigir o cumprimento do contrato a todo custo para a felicidade da parte relutante;
mas eles são um elemento necessário na questão; e mesmo que, como sustenta Von Humboldt, eles não façam diferença na liberdade legal das partes de se libertarem do noivado (e eu também sustento que eles não devem fazer muita diferença), eles necessariamente fazem uma grande diferença em a liberdade moral. Uma pessoa é obrigada a levar em consideração todas essas circunstâncias, antes de resolver uma etapa que pode afetar interesses tão importantes de outras pessoas; e se ele não permitir o peso adequado a esses interesses, ele é moralmente responsável pelo mal. Fiz essas observações óbvias para melhor ilustrar o princípio geral da liberdade, e não porque elas sejam necessárias para uma questão específica, que, pelo contrário, é geralmente discutida como se o interesse das crianças fosse tudo, e que de pessoas crescidas nada.

Já observei que, devido à ausência de princípios gerais reconhecidos, a liberdade é freqüentemente concedida onde deve ser retida, bem como retida onde deve ser concedida; e um dos casos em que, no mundo europeu moderno, o sentimento de liberdade é o mais forte, é um caso em que, na minha opinião, é completamente fora de lugar. Uma pessoa deve ser livre para fazer o que quiser em suas próprias preocupações; mas ele não deve ser livre para fazer o que gosta de agir em favor de outro, sob o pretexto de que os assuntos de outros são seus próprios assuntos.

O Estado, embora respeite a liberdade de cada um no que se refere especialmente a ele, é obrigado a manter um controle vigilante sobre seu exercício de qualquer poder que ele permita possuir sobre os outros. Essa obrigação é quase totalmente desconsiderada no caso das relações familiares, um caso, em sua influência direta na felicidade humana, mais importante que todas as outras tomadas em conjunto. O poder quase despótico dos maridos sobre as esposas não precisa ser ampliado aqui, porque nada mais é necessário para a completa remoção do mal, do que as esposas devem ter os mesmos direitos e devem receber a proteção da lei da mesma maneira, como todos outras pessoas; e porque, sobre esse assunto, os defensores da injustiça estabelecida não se valem do apelo da liberdade, mas se apresentam abertamente como os campeões do poder. No caso das crianças, as noções de liberdade mal aplicadas são um obstáculo real ao cumprimento pelo Estado de seus deveres.

Quase se pensaria que os filhos de um homem deviam ser literalmente, e não metaforicamente, uma parte de si mesmo, tão ciumenta é a opinião da menor interferência da lei em seu controle absoluto e exclusivo sobre eles; mais ciumento do que quase qualquer interferência em sua própria liberdade de ação: muito menos a generalidade da humanidade valoriza a liberdade do que o poder. Considere, por exemplo, o caso da educação. Não é quase um axioma evidente que o Estado deve exigir e obrigar a educação, até um certo padrão, de todo ser humano que nasce cidadão? No entanto, quem existe que não tem medo de reconhecer e afirmar essa verdade? Dificilmente alguém de fato negará que esse seja um dos deveres mais sagrados dos pais (ou, como a lei e o uso estão atualmente, o pai), depois de convocar um ser humano para o mundo, dar a esse ser uma educação adequada a ele. desempenhar bem sua parte na vida para com os outros e consigo mesmo. Mas, embora este seja declarado por unanimidade como dever do pai, quase ninguém neste país suportará ouvir que o obrigará a cumpri-lo. Em vez de ser obrigado a fazer qualquer esforço ou sacrifício para garantir a educação da criança, fica à sua escolha aceitá-la ou não quando é fornecida gratuitamente!

Ainda não é reconhecido que trazer uma criança à existência sem uma perspectiva justa de ser capaz, não apenas de fornecer alimento para o corpo, mas também de instrução e treinamento para a mente, é um crime moral, tanto contra os filhos infelizes quanto contra a sociedade. ; e que, se os pais não cumprirem essa obrigação, o Estado deve vê-lo cumprido, a cargo, na medida do possível, dos pais.

Se o dever de impor a educação universal uma vez admitido, haveria um fim às dificuldades sobre o que o Estado deveria ensinar e como ele deveria ensinar, que agora converte o assunto em um mero campo de batalha para seitas e festas, causando o tempo e trabalho que deveria ter sido gasto em educação, para ser desperdiçado em discussões sobre educação. Se o governo decidir exigir a todas as crianças uma boa educação, poderá poupar o trabalho de fornecer uma. Pode ser que os pais obtenham a educação onde e como desejarem, e se contentem em ajudar a pagar as taxas escolares das crianças mais pobres e em custear todas as despesas escolares daqueles que não têm mais ninguém para pagar por elas. As objeções que são apresentadas com razão contra a educação do Estado não se aplicam à execução da educação pelo Estado, mas ao fato de o Estado se encarregar de direcionar essa educação; o que é uma coisa totalmente diferente.

Para que toda ou qualquer parte importante da educação do povo esteja nas mãos do Estado, vou tão longe quanto qualquer um em depreciar. Tudo o que foi dito sobre a importância da individualidade de caráter e da diversidade de opiniões e modos de conduta envolve, como da mesma importância indescritível, diversidade da educação. Uma educação geral do Estado é um mero artifício para moldar as pessoas para serem exatamente iguais umas às outras; e como o molde em que os projeta é aquele que agrada ao poder predominante no governo, seja um monarca, um sacerdócio, uma aristocracia ou a maioria da geração existente, na proporção em que é eficiente e bem-sucedido, estabelece um despotismo sobre a mente, conduzindo pela tendência natural a uma sobre o corpo.

Uma educação estabelecida e controlada pelo Estado só deveria existir, se é que existe, como uma entre muitas experiências concorrentes, realizadas com o propósito de exemplo e estímulo, para manter as outras até um certo padrão de excelência. A menos que, de fato, quando a sociedade em geral esteja em um estado tão atrasado que ela não poderia ou não daria para si nenhuma instituição de educação adequada, a menos que o governo assumisse a tarefa; então, de fato, o governo pode, como menos de dois grandes males, assumir os negócios de escolas e universidades, assim como o de sociedades anônimas, quando empresas privadas, em uma forma adequada para realizar grandes obras da indústria, não existe no país. Mas, em geral, se o país contiver um número suficiente de pessoas qualificadas para oferecer educação sob os auspícios do governo, as mesmas pessoas estariam aptas e dispostas a dar uma educação igualmente boa sobre o princípio voluntário, sob a garantia de remuneração proporcionada por uma lei escolaridade obrigatória, combinada com auxílios estatais para aqueles que não podem custear as despesas.

O instrumento para fazer cumprir a lei não poderia ser outro senão exames públicos, estendendo-se a todas as crianças e começando cedo. Pode ser fixada uma idade em que toda criança deve ser examinada, para verificar se ela é capaz de ler. Se uma criança se mostrar incapaz, o pai, a menos que tenha algum motivo de desculpa suficiente, poderá ser sujeito a uma multa moderada, a ser trabalhada, se necessário, por seu trabalho, e a criança poderá ser levada à escola às suas custas. Uma vez a cada ano, o exame deve ser renovado, com uma gama gradualmente crescente de assuntos, de modo a tornar virtualmente obrigatória a aquisição universal e, além disso, a retenção de um certo mínimo de conhecimentos gerais.

Além desse mínimo, deve haver exames voluntários em todas as disciplinas, nas quais todos os que atingem um determinado padrão de proficiência possam solicitar um certificado. Para impedir que o Estado exerça, por meio desses arranjos, uma influência imprópria na opinião, o conhecimento necessário para passar no exame (além das partes meramente instrumentais do conhecimento, como idiomas e seu uso) deve, mesmo na classe superior de exames, limitar-se exclusivamente a fatos e ciências positivas. Os exames sobre religião, política ou outros tópicos disputados não devem se basear na verdade ou falsidade das opiniões, mas no fato de que essa e essa opinião são mantidas, com base em tais fundamentos, por tais autores ou escolas, ou igrejas.

Sob esse sistema, a geração em ascensão não seria pior em todas as verdades disputadas do que atualmente; eles seriam educados como clérigos ou dissidentes como são agora, o estado apenas cuidando para que fossem instruídos ou clérigos instruídos. Não haveria nada para impedi-los de serem ensinados a religião, se seus pais escolhessem, nas mesmas escolas em que aprenderam outras coisas. Todas as tentativas do Estado de influenciar as conclusões de seus cidadãos sobre assuntos disputados são más; mas pode oferecer muito adequadamente verificar e certificar que uma pessoa possui o conhecimento necessário para tirar suas conclusões, sobre um determinado assunto, dignas de atenção. Um estudante de filosofia seria o melhor para poder fazer um exame tanto em Locke quanto em Kant, qualquer um dos dois com os quais ele se ocupa, ou mesmo se não com nenhum deles: e não há objeção razoável a examinar um ateu nas evidências. do cristianismo, desde que ele não seja obrigado a professar uma crença neles.

Os exames, no entanto, nos ramos mais elevados do conhecimento, eu imagino, devem ser inteiramente voluntários. Seria dar um poder muito perigoso aos governos, se eles permitissem excluir alguém das profissões, mesmo da profissão de professor, por suposta deficiência de qualificações: e eu acho que, com Wilhelm von Humboldt, esses diplomas ou outros certificados públicos de aquisições científicas ou profissionais, deve ser concedido a todos que se apresentarem para exame e passarem no teste; mas que esses certificados não devem conferir vantagem sobre os concorrentes, a não ser o peso que pode ser atribuído ao seu testemunho pela opinião pública.

Não é apenas na questão da educação que as noções equivocadas de liberdade impedem o reconhecimento de obrigações morais por parte dos pais e a imposição de obrigações legais, onde sempre existem os motivos mais fortes para os primeiros e, em muitos casos, para o último também. O fato em si, de causar a existência de um ser humano, é uma das ações mais responsáveis ​​no âmbito da vida humana. Assumir essa responsabilidade – conceder uma vida que pode ser uma maldição ou uma bênção – a menos que o ser a quem ele será concedido tenha pelo menos as chances comuns de uma existência desejável, é um crime contra esse ser. E em um país superpovoado ou ameaçado de ser assim, produzir filhos, além de um número muito pequeno, com o efeito de reduzir a recompensa do trabalho pela concorrência, é uma ofensa grave a todos os que vivem com a remuneração de o trabalho deles.

As leis que, em muitos países do continente, proíbem o casamento, a menos que as partes possam demonstrar que têm meios de sustentar uma família, não excedem os poderes legítimos do Estado: e se essas leis são convenientes ou não (uma questão principalmente dependentes das circunstâncias e sentimentos locais), não são censuráveis ​​como violações da liberdade. Tais leis são interferências do Estado para proibir um ato pernicioso – um ato prejudicial para os outros, que deve ser objeto de reprovação e estigma social, mesmo quando não é considerado conveniente adiar punições legais.

No entanto, as idéias atuais de liberdade, que se inclinam tão facilmente a violações reais da liberdade do indivíduo, em coisas que dizem respeito apenas a si mesmo, repeliriam a tentativa de restringir suas inclinações quando a consequência de sua indulgência é uma vida, ou vidas, de miséria e depravação para com os filhos, com múltiplos males para aqueles suficientemente ao alcance para serem afetados por suas ações. Quando comparamos o estranho respeito da humanidade pela liberdade, com sua estranha falta de respeito, podemos imaginar que um homem tinha um direito indispensável de prejudicar os outros e nenhum direito de agradar a si mesmo sem causar dor a ninguém. .

Reservei para o último lugar uma grande classe de perguntas a respeito dos limites da interferência governamental, que, embora intimamente ligadas ao assunto deste Ensaio, não pertencem, estritamente, a ele. São casos em que as razões contra a interferência não se voltam para o princípio da liberdade: a questão não é restringir as ações dos indivíduos, mas ajudá-los: é perguntado se o governo deve fazer ou fazer algo, para seu benefício, em vez de deixar que seja feito por eles mesmos, individualmente ou em combinação voluntária.

As objeções à interferência do governo, quando não envolvem violação da liberdade, podem ser de três tipos. A primeira é quando é provável que o que deve ser feito seja melhor pelas pessoas do que pelo governo. Falando de maneira geral, não há ninguém tão apto para conduzir um negócio, nem para determinar como ou por quem ele será conduzido, como aqueles que estão pessoalmente interessados ​​nele. Esse princípio condena as interferências, uma vez tão comuns, da legislatura, ou dos funcionários do governo, nos processos comuns da indústria. Mas essa parte do assunto foi suficientemente ampliada pelos economistas políticos e não está particularmente relacionada aos princípios deste Ensaio.

A segunda objeção é mais quase aliada ao nosso assunto. Em muitos casos, embora os indivíduos possam não fazer a coisa em particular tão bem, em média como os funcionários do governo, é desejável que isso seja feito por eles, e não pelo governo, como um meio para sua própria mentalidade. educação – um modo de fortalecer suas faculdades ativas, exercitar seu julgamento e fornecer a eles um conhecimento familiar dos assuntos com os quais eles são deixados para lidar.

Esta é uma recomendação principal, embora não a única, do julgamento do júri (em casos não políticos); de instituições locais e municipais gratuitas e populares; da conduta de empresas industriais e filantrópicas por associações voluntárias. Essas não são questões de liberdade, e estão ligadas a esse assunto apenas por tendências remotas; mas são questões de desenvolvimento. Pertence a uma ocasião diferente da atual, insistir nessas coisas como partes da educação nacional;
como sendo, na verdade, o treinamento peculiar de um cidadão, a parte prática da educação política de um povo livre, retirando-o do estreito círculo de egoísmo pessoal e familiar e acostumando-o à compreensão de interesses conjuntos, à administração de preocupações conjuntas – habituando-os a agir por motivos públicos ou semi-públicos e orientar sua conduta por objetivos que se unem, em vez de isolá-los um do outro.

Sem esses hábitos e poderes, uma constituição livre não pode ser trabalhada nem preservada, como é exemplificado pela natureza muitas vezes transitória da liberdade política em países onde não repousa sobre uma base suficiente de liberdades locais. A administração de negócios puramente locais pelas localidades, e das grandes empresas da indústria pela união daqueles que fornecem voluntariamente os meios pecuniários, é ainda recomendada por todas as vantagens que foram estabelecidas neste Ensaio como pertencentes à individualidade do desenvolvimento. e diversidade de modos de ação. As operações do governo tendem a estar em todos os lugares. Com indivíduos e associações voluntárias, pelo contrário, existem experiências variadas e infinita diversidade de experiências. O que o Estado pode fazer com utilidade é tornar-se um depositário central, circulador e difusor ativo da experiência resultante de muitos ensaios. Seu negócio é permitir que cada experimentalista se beneficie com os experimentos de outros, em vez de tolerar nenhum experimento além do seu.

A terceira e mais convincente razão para restringir a interferência do governo é o grande mal de aumentar desnecessariamente seu poder. Toda função superadicionada àquelas já exercidas pelo governo faz com que sua influência sobre as esperanças e medos seja mais amplamente difundida e converte cada vez mais a parte ativa e ambiciosa do público em apoiadores do governo ou de alguns partido que visa se tornar o governo. Se as estradas, as ferrovias, os bancos, os escritórios de seguros, as grandes empresas de jointstock, as universidades e as instituições de caridade públicas eram todos eles ramos do governo; se, além disso, as corporações municipais e as diretorias locais, com tudo o que agora depende delas, se tornarem departamentos da administração central; se os funcionários de todas essas empresas diferentes fossem nomeados e pagos pelo governo e procurassem o governo por todos os aumentos de vida; nem toda a liberdade de imprensa e constituição popular do legislador tornaria este ou qualquer outro país livre, a não ser em nome.

E o mal seria maior, quanto mais eficiente e cientificamente fosse construído o maquinário administrativo – mais habilidosos os arranjos para obter as mãos e cabeças mais qualificadas com as quais trabalhar. Ultimamente, na Inglaterra, foi proposto que todos os membros do serviço público do governo fossem selecionados por meio de concurso, para obter para esses empregos as pessoas mais inteligentes e instruídas que poderiam ser procuradas; e muito foi dito e escrito a favor e contra esta proposta. Um dos argumentos mais insistidos por seus oponentes é que a ocupação de um funcionário permanente do Estado não oferece perspectivas suficientes de emolumento e importância para atrair os mais altos talentos, que sempre poderão encontrar uma carreira mais convidativa. nas profissões ou a serviço de empresas e outros órgãos públicos.

Não se surpreenderia se esse argumento tivesse sido utilizado pelos amigos da proposição, como resposta à sua principal dificuldade. Vindo dos oponentes, é bastante estranho. O que é sugerido como uma objeção é a válvula de segurança do sistema proposto. Se, de fato, todo o alto talento do país pudesse ser atraído para o serviço do governo, uma proposta tendendo a produzir esse resultado poderia inspirar inquietação. Se todas as partes da sociedade que exigiam concertos organizados, ou visões amplas e abrangentes, estivessem nas mãos do governo, e se os escritórios do governo fossem preenchidos universalmente pelos homens mais capazes, toda a cultura ampliada e a inteligência praticada no país, exceto o puramente especulativo, estaria concentrado em uma numerosa burocracia, para quem sozinho o resto da comunidade procuraria todas as coisas: a multidão de direção e ditado em tudo o que eles tinham que fazer; o capaz e aspirante a progresso pessoal.

Ser admitido nas fileiras desta burocracia e, quando admitido, subir nela, seria o único objeto de ambição. Sob esse regime, não apenas o público externo é pouco qualificado, por falta de experiência prática, para criticar ou controlar o modo de operação da burocracia, mas também se os acidentes de trabalho despótico ou natural de instituições populares ocasionalmente aumentam a Na cúpula de um governante ou governantes de tendências reformistas, nenhuma reforma pode ser realizada, o que é contrário ao interesse da burocracia. Essa é a condição melancólica do império russo, como é mostrado nos relatos daqueles que tiveram oportunidade suficiente de observação.

O próprio czar é impotente contra o corpo burocrático; ele pode enviar qualquer um deles para a Sibéria, mas ele não pode governar sem eles ou contra a vontade deles. Em todos os seus decretos, eles têm um veto tácito, ao se absterem de executá-lo. Em países de civilização mais avançada e de espírito mais insurrecional, o público costumava esperar que tudo fosse feito pelo Estado, ou pelo menos não fazer nada por si mesmo, sem pedir ao Estado que não apenas deixasse, mesmo como isso deve ser feito, naturalmente responsabiliza o Estado por todo o mal que lhes ocorre, e quando o mal excede sua paciência, eles se levantam contra o governo e fazem o que é chamado de revolução; quando outra pessoa, com ou sem autoridade legítima da nação, salta para o assento, emite suas ordens à burocracia, e tudo continua como antes; a burocracia é inalterada e ninguém mais é capaz de tomar o seu lugar.

Um espetáculo muito diferente é exibido entre um povo acostumado a realizar seus próprios negócios. Na França, grande parte das pessoas envolvidas no serviço militar, muitas das quais têm pelo menos o posto de oficiais não comissionados, há em toda insurreição popular várias pessoas competentes para liderar e improvisar algum plano tolerável de ação. O que os franceses são nos assuntos militares, os americanos estão em todo tipo de negócio civil; que eles fiquem sem governo, todo corpo americano pode improvisar um e continuar esse ou qualquer outro negócio público com uma quantidade suficiente de inteligência, ordem e decisão. Isto é o que todo povo livre deveria ser: e um povo capaz disso certamente será livre; nunca se deixará escravizar por qualquer homem ou corpo de homens porque estes são capazes de apreender e puxar as rédeas da administração central.

Nenhuma burocracia pode esperar fazer com que um povo como esse faça ou sofra qualquer coisa que não goste. Mas onde tudo é feito através da burocracia, nada a que a burocracia seja realmente adversa pode ser feito. A constituição de tais países é uma organização da experiência e capacidade prática da nação, em um corpo disciplinado com a finalidade de governar o resto; e quanto mais perfeita a organização for em si mesma, mais bem-sucedida em atrair a si mesma e educar para si as pessoas de maior capacidade de todas as classes da comunidade, mais completa será a escravidão de todas, incluindo os membros da burocracia. Pois os governadores são tanto os escravos de sua organização e disciplina, quanto os governados são dos governadores.

Um mandarim chinês é tanto a ferramenta e a criatura de um despotismo quanto o cultivador mais humilde. Um jesuíta individual é, no máximo grau de humilhação, o escravo de sua ordem, embora a ordem em si exista pelo poder coletivo e pela importância de seus membros. Também não se deve esquecer que a absorção de toda a principal habilidade do país no corpo governante é fatal, mais cedo ou mais tarde, para a atividade mental e a progressividade do próprio corpo. Unidos como estão – trabalhando em um sistema que, como todos os sistemas, necessariamente procede em grande parte por regras fixas – o corpo oficial está sob a constante tentação de afundar em uma rotina indolente, ou, se de vez em quando abandonar esse moinho. cavalo a cavalo, de correr para dentro de alguma crueza semi-examinada que atingiu a fantasia de algum membro principal do corpo: e o único controle dessas tendências intimamente aliadas, embora aparentemente opostas, o único estímulo que pode manter a capacidade do corpo até um alto padrão, é responsável pelas críticas vigilantes da capacidade igual fora do corpo.

É indispensável, portanto, que os meios devam existir, independentemente do governo, para formar tal capacidade e fornecer a ela as oportunidades e a experiência necessárias para um julgamento correto de grandes assuntos práticos. Se possuirmos permanentemente um corpo hábil e eficiente de funcionários – acima de tudo, um corpo capaz de se originar e disposto a adotar melhorias; se não queremos que nossa burocracia degenere em pedantocracia, esse corpo não deve absorver todas as ocupações que formam e cultivam as faculdades necessárias para o governo da humanidade.

Determinar o ponto em que os males, tão formidáveis ​​à liberdade e ao progresso humano, começam, ou melhor, em que eles começam a predominar sobre os benefícios decorrentes da aplicação coletiva da força da sociedade, sob seus chefes reconhecidos, para a remoção dos obstáculos. que atrapalham o seu bem-estar; assegurar o máximo de vantagens do poder e da inteligência centralizados, como pode ser obtido sem se transformar em canais governamentais uma proporção muito grande da atividade geral, é uma das questões mais difíceis e complicadas da arte do governo. É, em grande parte, uma questão de detalhes, na qual muitas e várias considerações devem ser mantidas em vista, e nenhuma regra absoluta pode ser estabelecida.

Mas acredito que o princípio prático no qual a segurança reside, o ideal a ser mantido em vista, o padrão pelo qual testar todos os arranjos destinados a superar a dificuldade, possa ser transmitido com estas palavras: a maior disseminação de poder consistente com a eficiência; mas a maior centralização possível da informação e difusão dela a partir do centro. Assim, na administração municipal, haveria, como nos Estados da Nova Inglaterra, uma divisão muito minuciosa entre oficiais separados, escolhidos pelas localidades, de todos os negócios que não são melhor deixados para as pessoas diretamente interessadas; além disso, em cada departamento de assuntos locais haveria uma superintendência central, formando um ramo do governo geral. O órgão desta superintendência concentraria, como em foco, a variedade de informações e experiências derivadas da condução desse ramo de negócios públicos em todas as localidades, de tudo o que é feito em países estrangeiros e dos princípios gerais de Ciência Política.

Esse órgão central deve ter o direito de saber tudo o que é feito, e seu dever especial deve ser o de disponibilizar o conhecimento adquirido em um local para outros. Emancipado dos preconceitos mesquinhos e visões estreitas de uma localidade por sua posição elevada e ampla esfera de observação, seus conselhos naturalmente teriam muita autoridade; mas seu poder real, como instituição permanente, deveria, eu imagino, limitar-se a obrigar os oficiais locais a obedecer às leis estabelecidas para sua orientação. Em todas as coisas não previstas em regras gerais, esses oficiais devem ser deixados a seu próprio julgamento, sob responsabilidade de seus constituintes. Pela violação das regras, eles devem ser responsáveis ​​perante a lei e as próprias regras devem ser estabelecidas pelo legislador; a autoridade administrativa central apenas vigiará sua execução e, se não tiverem sido adequadamente executadas, apelará, de acordo com a natureza do caso, ao tribunal para fazer cumprir a lei ou aos distritos eleitorais para demitir os funcionários que não executaram de acordo com seu espírito. Essa, em sua concepção geral, é a superintendência central que o Poor Law Board pretende exercer sobre os administradores da Poor Rate em todo o país.

Quaisquer que sejam os poderes que a Diretoria exerça além desse limite, foram corretos e necessários nesse caso peculiar, para a cura de hábitos enraizados de má administração em assuntos que afetam profundamente não apenas as localidades, mas toda a comunidade; uma vez que nenhuma localidade tem o direito moral de fazer da má administração um ninho de pauperismo, necessariamente transbordando para outras localidades e prejudicando a condição moral e física de toda a comunidade trabalhadora.

Os poderes de coerção administrativa e legislação subordinada possuídos pelo Poor Law Board (mas que, devido ao estado de opinião sobre o assunto, são exercidos muito escassamente por eles), embora perfeitamente justificáveis ​​em um caso de interesse nacional de primeira classe, estar totalmente fora de lugar na superintendência de interesses puramente locais. Mas um órgão central de informação e instrução para todas as localidades seria igualmente valioso em todos os departamentos da administração. Um governo não pode ter muito do tipo de atividade que não impede, mas ajuda e estimula o esforço e o desenvolvimento individual.

O mal começa quando, em vez de despertar a atividade e os poderes de indivíduos e corpos, substitui a sua própria atividade pela deles; quando, em vez de informar, aconselhar e, ocasionalmente, denunciar, faz com que trabalhem em grilhões ou pede que se afastem e faz o trabalho em vez deles.

O valor de um Estado, a longo prazo, é o valor dos indivíduos que o compõem; e um Estado que adia os interesses de sua expansão e elevação mental, para um pouco mais de habilidade administrativa, ou daquela aparência que essa prática fornece, nos detalhes dos negócios; um Estado que supera seus homens, a fim de que eles sejam instrumentos mais dóceis em suas mãos, mesmo para fins benéficos, descobrirá que, com homens pequenos, nada de grande coisa pode realmente ser realizado; e que a perfeição da maquinaria à qual sacrificou tudo não servirá de nada, por falta do poder vital que, para que a máquina funcione com mais tranqüilidade, prefere banir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: