Epicurismo Filosofia

Carta de Epicuro a Heródoto

Novamente, devemos admitir que em muitos e vários aspectos, a natureza é instruída e restringida pelas próprias circunstâncias; e que a Razão posteriormente aperfeiçoa e enriquece com descobertas adicionais as coisas que emprestou da natureza.

Seleções da Carta de Epicuro a Heródoto (Seções 63 a 82):

[63] Voltemos agora ao estudo das afeições e das sensações; pois este será o melhor método para provar que a alma é uma substância corporal composta de partículas de luz, difundida por todos os membros do corpo e apresentando uma grande analogia a uma espécie de espírito, possuindo uma mistura de calor semelhante a uma tempo um, e em outro momento o outro desses dois princípios. Existe nela uma parte especial, dotada de extrema mobilidade, em consequência da excessiva leveza dos elementos que a compõem, e também em referência à sua simpatia mais imediata com o resto do corpo. É isso que as faculdades da alma provam suficientemente, e as paixões, e a mobilidade de sua natureza, os pensamentos e, em uma palavra, tudo cuja privação é a morte. Devemos admitir que é especialmente na alma que reside o princípio da sensação. 

[64] Ao mesmo tempo, ele não possuiria esse poder se não fosse envolvido pelo resto do corpo que o comunica e, por sua vez, o recebe; mas apenas em certa medida; pois existem certas afeições da alma das quais ela não é capaz. É por essa razão que, quando a alma se afasta, o corpo não é mais possuidor de sensação; pois não tem esse poder (ou seja, o da sensação) em si; por outro lado, esse poder só pode se manifestar na alma através do meio do corpo. A alma, refletindo as manifestações realizadas na substância que a cerca, realiza em si mesma, em uma virtude ou poder que lhe pertence, os afetos sensíveis, e imediatamente os comunica ao corpo em virtude dos laços recíprocos de simpatia que uni-lo ao corpo.

[65] essa é a razão pela qual a destruição de uma parte do corpo não leva a cessar todos os sentimentos da alma enquanto ela reside no corpo, desde que os sentidos ainda preservem alguma energia; embora, no entanto, a dissolução da cobertura corporal, o resto do corpo, por outro lado, mesmo quando permanece, como um todo, ou em qualquer parte, perde todo o sentimento pela dispersão desse agregado de átomos, qualquer que seja, que forma a alma. Quando toda a combinação do corpo é dissolvida, a alma também é dissolvida e deixa de reter as faculdades que antes eram inerentes a ele, e especialmente o poder do movimento; de modo que a sensação pereça igualmente no que diz respeito à alma;

[66] pois é impossível imaginar que ainda sinta, a partir do momento em que não esteja mais nas mesmas condições de existência, e não possua mais os mesmos movimentos de existência em referência ao mesmo sistema orgânico; a partir do momento, enfim, quando as coisas que a cobrem e a circundam não são mais tais, retém nelas os mesmos movimentos de antes da parte racional que tem seu assento no peito, como é provado pelas emoções de medo e alegria. Ele acrescenta que o sono é produzido quando as partes da alma difundidas por todo o corpo se concentram ou quando se dispersam e escapam pelos poros do corpo; partículas emanam de todos os corpos. (da parte racional que tem seu assento no peito, como é provado pelas emoções de medo e alegria. Ele acrescenta que o sono é produzido quando as partes da alma difundidas por todo o corpo se concentram ou quando se dispersam e escapam pelos poros do corpo; partículas emanam de todos os corpos.)

[67] Deve-se observar também que eu uso a palavra incorpórea no significado usual da palavra, para expressar aquilo que em si é concebido como tal. Agora, nada pode ser concebido em si como incorpóreo, exceto o vazio; mas o vazio não pode ser passivo ou ativo; é apenas a condição e o local do movimento. Consequentemente, aqueles que fingiram que a alma é incorpórea, palavras absolutas destituídas de sentido; pois, se tivesse esse caráter, não seria capaz de fazer ou sofrer nada; mas, como é, vemos claramente que é suscetível a ambas as circunstâncias.

[68] Vamos então aplicar todo esse raciocínio às afeições e sensações, lembrando as idéias que estabelecemos no início, e então veremos claramente que esses princípios gerais contêm uma solução exata de todos os casos particulares. Quanto às formas, matizes, magnitudes, peso e outras qualidades que se consideram atributos, seja de todo corpo, ou apenas daqueles corpos visíveis e percebidos pelos sentidos, esse é o ponto de vista. visão sob a qual eles devem ser considerados: eles não são substâncias particulares, com uma existência peculiar própria, pois isso não pode ser concebido; nem se pode dizer mais que não têm realidade alguma. 

[69] Eles não são substâncias incorpóreas inerentes ao corpo, nem são partes do corpo. Mas eles constituem por sua união, repito, a substância eterna do corpo. Cada um desses atributos tem idéias e percepções particulares que lhe correspondem; mas eles não podem ser percebidos independentemente de todo o assunto tomado inteiramente. A união de todas essas percepções forma a ideia do corpo. 

[70] Os corpos geralmente possuem outros atributos que não são eternamente inerentes a eles, mas que, no entanto, não podem ser agrupados entre as coisas incorpóreas e invisíveis. Portanto, basta expressar a ideia geral do movimento de transferência para nos permitir conceber, em um momento, certas qualidades distintas, e aqueles seres combinados que, sendo tomados em sua totalidade, recebem o nome de corpos; e os atributos necessários e eternos sem os quais o corpo não pode ser concebido sendo tomados em sua totalidade, recebem o nome dos corpos; existem certas concepções correspondentes a esses atributos; mas, no entanto, eles não podem ser conhecidos abstratamente e independentemente de alguns assuntos;

[71] e além disso, na medida em que não são atributos necessariamente inerentes à ideia de um corpo, só podemos concebê-los no momento em que são visíveis; são realidades, no entanto; e não se deve recusar que eles existam apenas porque eles não têm a característica dos seres compostos aos quais damos o nome de corpos, nem a dos atributos eternos. Deveríamos ser igualmente enganados se supormos que eles têm uma existência separada e independente; pois isso não é verdade nem para eles nem para os atributos eternos. São, como se vê claramente, acidentes do corpo; acidentes que não necessariamente fazem parte de sua natureza;

[72] Outra questão importante é a do tempo. Aqui não podemos mais aplicar o método de exame ao qual submetemos outros objetos, onde estudamos com referência a um determinado sujeito; e aos quais nos referimos aos preconceitos que existem em nós mesmos. Devemos apreender, por analogia, e contornar todo o círculo de coisas compreendidas sob essa denominação geral para o tempo – devemos apreender, eu digo, o caráter essencial que nos leva a dizer que o tempo é longo ou curto. Não é necessário, para esse fim, buscar novas formas de expressão preferíveis àquelas de uso comum; podemos nos contentar com aqueles pelos quais o tempo normalmente é indicado. Nem precisamos, como certos filósofos, afirmar qualquer atributo específico do tempo, pois isso seria supor que sua essência é a mesma que a desse atributo. É suficiente procurar os ingredientes dos quais essa natureza específica que chamamos de tempo é composta e os meios pelos quais ela é medida. 

[73] Para isso, não precisamos de demonstração; uma simples exposição é suficiente. É, de fato, evidente, que falamos de tempo como composto de dias e noites, e partes de dias e noites; passividade e impassibilidade, movimento e repouso são igualmente compreendidos no tempo. Em resumo, é evidente que, em conexão com esses diferentes estados, podemos conceber uma propriedade específica à qual damos o nome de tempo. (Epicuro estabelece os mesmos princípios no segundo livro de seu tratado sobre a natureza e em seu grande resumo).  Podemos conceber uma propriedade específica à qual damos o nome de tempo. (Epicuro estabelece os mesmos princípios no segundo livro de seu tratado sobre a natureza e em seu grande resumo.) 

É do infinito que os mundos são derivados, e de todos os agregados finitos que apresentam numerosas analogias com as coisas que observamos sob nossos próprios olhos. Cada um desses objetos, grandes e pequenos, foi separado do infinito por um movimento próprio. Por outro lado, todos esses corpos serão destruídos sucessivamente, alguns mais e outros menos rapidamente; alguns sob a influência de uma causa e outros por causa da ação de outra. (É evidente, depois disso, que Epicuro considera os mundos perecíveis, uma vez que ele admite que suas partes são capazes de se transformar. Ele também diz em outros lugares, que a Terra repousa suspensa no ar.)

[74] Não devemos acreditar que todos os mundos necessariamente tenham uma forma idêntica. (Ele diz, de fato, no décimo segundo livro de seu tratado sobre o mundo, que os mundos diferem um do outro; alguns são esféricos, outros elípticos e outros de outras formas.)

Também devemos tomar cuidado ao pensar que os animais são derivados do infinito; pois ninguém pode provar que as sementes das quais nascem os animais, as plantas e todos os outros objetos que contemplamos foram trazidas do exterior em um mundo assim, e que esse mesmo mundo não seria capaz produzi-los por si só. Esta observação se aplica particularmente à terra.

[75] Novamente, devemos admitir que em muitos e vários aspectos, a natureza é instruída e restringida pelas próprias circunstâncias; e que a Razão posteriormente aperfeiçoa e enriquece com descobertas adicionais as coisas que emprestou da natureza; em alguns casos rapidamente, e em outros mais lentamente. E, em alguns casos, de acordo com períodos e tempos maiores do que aqueles que procedem do infinito; em outros casos, de acordo com os menores. Então, originalmente era apenas em virtude de acordos expressos que se dava nomes às coisas. Mas os homens cujas idéias e paixões variavam de acordo com as respectivas nações, formaram esses nomes por vontade própria, proferindo diversos sons produzidos por cada paixão ou por cada ideia, acompanhando as diferenças das situações e dos povos. 

[76] Em um período posterior, um estabelecido em cada nação, de maneira uniforme, termos específicos destinados a tornar as relações mais fáceis e a linguagem mais concisa. Os homens instruídos introduziram a noção de coisas não detectáveis ​​pelos sentidos e se apropriaram de palavras quando se viram sob a necessidade de expressar seus pensamentos; depois disso, outros homens, guiados em todos os pontos pela razão, interpretaram essas palavras no mesmo sentido. Quanto aos fenômenos celestes, como o movimento e o curso das estrelas, os eclipses, seu surgimento e cenário e todas as outras aparências do mesmo tipo, devemos ter cuidado ao pensar que eles são produzidos por qualquer ser em particular que tenha regulado, ou cuja tarefa é regular, para o futuro, a ordem do mundo, um ser imortal e perfeitamente feliz;

 [77] para os cuidados e ansiedades, a benevolência e a raiva, longe de serem compatíveis com a felicidade, são, pelo contrário, a consequência da fraqueza, do medo e do desejo que uma coisa tem de outra coisa. Também não devemos imaginar que esses globos de fogo, que rolam no espaço, desfrutem de uma felicidade perfeita e se deem, com reflexão e sabedoria, os movimentos que possuem. Mas devemos respeitar as noções estabelecidas sobre esse assunto, desde que, no entanto, que nem todos eles contradizem o respeito devido à verdade; pois nada é mais calculado para perturbar a alma do que esse conflito de noções e princípios contraditórios. Devemos, portanto, admitir que desde o primeiro movimento impresso nos corpos celestes, desde a organização do mundo, é derivada uma espécie de necessidade que regula seu curso até os dias de hoje.

[78] Tenhamos certeza de que é para a fisiologia que ele pertence para determinar as causas dos fenômenos mais elevados, e que a felicidade consiste, acima de tudo, na ciência das coisas celestes e em sua natureza e no conhecimento de fenômenos análogos que podem nos ajudar na compreensão da ética. Esses fenômenos celestes admitem várias explicações; eles não têm razão de um caráter necessário e podemos explicá-los de maneiras diferentes. Em uma palavra, eles não têm nenhuma relação – um momento de consideração provará isso por si só – com aquelas naturezas imperecíveis e felizes que não admitem divisão nem confusão.

[79] Quanto ao conhecimento teórico do nascer e do pôr-do-sol, do movimento do sol entre os trópicos, os eclipses e todos os outros fenômenos semelhantes, que são totalmente inúteis, tanto quanto qualquer influência sobre a felicidade que ela possa ter. Além disso, aqueles que, apesar de possuírem esse conhecimento, ignoram a natureza e as causas mais prováveis ​​dos fenômenos, não estão mais protegidos do medo do que se estivessem na mais completa ignorância; eles até experimentam os medos mais animados, pelos problemas com os quais o conhecimento de que são possuídos os inspira, não encontram problema e não são dissipados por uma percepção clara das razões desses fenômenos. Quanto a nós, encontramos muitas explicações sobre os movimentos do sol, do nascer e do pôr-do-sol, do eclipse e fenômenos semelhantes, assim como dos fenômenos mais particulares.

[80] E não se deve pensar que esse método de explicação não seja suficiente para obter felicidade e tranquilidade. Vamos nos contentar em examinar como é que fenômenos semelhantes são provocados sob nossos próprios olhos, e vamos aplicar essas observações aos objetos celestes e a tudo o que sabemos apenas indiretamente. Vamos desprezar as pessoas que são incapazes de distinguir fatos suscetíveis de explicações diferentes de outras que só podem existir e ser explicadas de uma única maneira. Desdenhamos aqueles homens que não conhecem, por meio das diferentes imagens que resultam da distância, como dar conta das diferentes aparências das coisas; que, em uma palavra, ignoram quais são os objetos que podem excitar qualquer problema em nós. Se, então, sabemos que esse fenômeno pode ser provocado da mesma maneira que outro dado fenômeno do mesmo caráter que não nos inspira com nenhuma apreensão; e se, por outro lado, soubermos que isso pode ocorrer de muitas maneiras diferentes, não ficaremos mais perturbados ao vê-lo do que se soubermos a causa real dele.

[81] Também devemos lembrar que o que contribui principalmente para perturbar o espírito dos homens é a persuasão que eles apreciam de que as estrelas são seres imperecíveis e perfeitamente felizes, e que então os pensamentos e ações de alguém estão em contradição com a vontade desses seres superiores. . Eles também estão sendo iludidos por essas fábulas, apreendem uma eternidade de males e temem a insensibilidade da morte, como se isso pudesse afetá-los. O que eu disse? Nem mesmo a crença, mas a falta de consideração e a cegueira os governam em tudo, a tal ponto que, não calculando esses medos, eles ficam tão perturbados como se realmente tivessem fé nesses fantasmas vãos.

[82] E a verdadeira liberdade desse tipo de problema consiste em ser emancipado de todas essas coisas, e preservando a lembrança de todos os princípios que estabelecemos, especialmente dos mais essenciais deles. Portanto, é bom prestar uma atenção escrupulosa aos fenômenos existentes e às sensações, às sensações gerais das coisas gerais e às sensações particulares das coisas particulares. Em uma palavra, devemos tomar nota disso, a evidência imediata com a qual cada uma dessas faculdades judiciais nos fornece; pois, se atendermos a esses pontos, a saber, de onde surgem confusão e medo, adivinharemos as causas corretamente e nos libertaremos desses sentimentos, rastreando os fenômenos celestes às causas deles e também a todos os outros que se apresentam a cada passo e inspirar as pessoas comuns com extremo terror. 

Heródoto é uma espécie de resumo e resumo de toda a questão da filosofia natural.

Fonte: Attalus

Leitura sugerida:

Para uma tradução mais recente, considere a compra de B. Inwood e L. Gerson Hellenistic Philosophy: Introductory Readings (Hackett, 1988). Para este volume, leia as páginas 13-19.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: