Língua Portuguesa Poesias e Literatura

Língua Portuguesa: Substantivos

No português, como em qualquer outro idioma, existem palavras para nomear um ser ou um objeto, uma ação e qualidade ou estado.

[parte do conteúdo retirado de pt.wikibooks.org]

O substantivo ou nome é uma classe de palavras variável com que se designam ou se nomeiam os seres em geral ou são as palavras variáveis com que se designam os seres (pessoas, animais e coisas). 0

Em português, o substantivo pode ser flexionado em gênero, número e grau. Em outros idiomas pode haver outras flexões, como a de caso gramatical.

Substantivo é aquilo que por si só designa a própria substância, ou seja a essência, a matéria. É um termo com origem no latim “substantivu” que significa “substancial”.

Qualquer palavra pode ser substantivada. Para tanto basta precedê-la de um artigo. Ex.: O não é uma palavra cruel. (advérbio substantivado). O amar e o odiar não conhecem limites. (verbos substantivados).

Quanto à morfologia

Locução substantiva

É uma locução substantiva qualquer conjunto de palavras que só possuam determinado significado, quando juntas:

Compramos muitos cachorros-quentes à noite no centro de São Luís.

pretérito mais-que-perfeito é um tempo verbal.

Fonte: https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/portugues/o-que-e-locucao.htm

Flexões

Os substantivos são classificados quanto às suas flexões e quanto aos seus radicais. No caso do português, o substantivo pode variar em gêneronúmero e grau. Em outros idiomas (como o latim, o grego e o romeno) os substantivos declinam-se em casos gramaticais.

Fonte: https://slideplayer.com.br/slide/1361114/

Número

A mais simples forma de flexão é quanto à desinência de número. Um determinado substantivo se flexiona em número de acordo com o número de seres ou coisas de mesma espécie ao qual se refere. Quando se refere a um único ser ou coisa, está no singular. Quando se refere a mais de um ser ou coisa, está no plural. A flexão de número segue as regras da concordância nominal.

Gênero

Além da flexão de número, um substantivo pode ser flexionado quanto ao gênero, em feminino e masculino. A flexão de gênero segue as regras da concordância nominal.

Exemplo: garota/garoto; diretor/diretora.

  • Biformes

São os que apresentam duas formas, uma para o masculino, outra para o feminino, com apenas um radical

Exemplo: aluno e aluna; traidor e traidora.

  • Heterônimos

São os que apresentam duas formas, uma para o masculino, outra para o feminino, com dois radicais diferentes

Exemplo: bode e cabra; homem e mulher; vaca e boi;

  • Uniformes

São os que apresentam apenas um forma, para ambos os gêneros. Os substantivos uniformes recebem nomes especiais, são eles:

  • Comum de dois gêneros
    São os que têm uma só forma para ambos os gêneros, com artigos distintos. Exemplo: o/a fã; o/a gerente; o/a viajante o/a dentista
  • Sobrecomum
    São os que têm uma só forma e um só artigo para ambos os gêneros. Exemplo: a criança; o carrasco; o animal.
  • Epiceno
    São os que têm uma só forma e um só artigo para ambos os gêneros de certos animais, acrescentando as palavras macho e fêmea, para se distinguir o sexo do animal. Exemplo: a águia; a barata; o pernilongo; o piolho.

Grau

O grau dos substantivos é, de uma forma genérica, representado pelos sufixos:

Classificação e formação

Comuns e próprios
Comuns são aqueles que dão nome a espécie: pessoa, rio, planeta; próprios são aqueles que designam um indivíduo da espécie: João, Amazonas, Marte.

Concretos e abstratos
Concretos são aqueles que designam os seres propriamente ditos, isto é, os nomes de pessoas, de animais, vegetais, lugares e coisas: homem, cão, árvore, Brasil, caneta; abstratos são aqueles que designam ações, estados e qualidades: beleza, colheita, doença, bondade, juventude.


Coletivos
São substantivos comuns que, no singular, designam um conjunto de seres ou coisas da mesma espécie. No substantivo coletivo, trata-se de um único ser uma pluralidade de indivíduos: elenco (conjunto de atores); matilha (conjunto de cães de caça); cardume (conjunto de peixes) etc.


Primitivos e derivados
Primitivos são aqueles de que não derivam de outros vocábulos: ex: casa, folha, árvore. Os derivados são aqueles que procedem de outras palavras (guerreiro é derivado por vir de guerra, guerra + eiro, ferreiro é derivado por vir de ferro, ferro + ‘eiro’).


Simples e composto
Simples são aqueles substantivos constituídos de um só radical: casa, casarão; compostos são aqueles formados na união de dois ou mais radicais: boca-de-leão, couve-flor, passatempo.

Quanto à sintaxe

Núcleo
O substantivo atua como núcleo do sujeito, do objeto direto, do objeto indireto, do agente da passiva, do aposto e do vocativo.


Qualquer outra palavra de diferente classe gramatical que desempenhe uma dessas funções na oração equivaler-se-á forçosamente a um substantivo, adquirindo uma função substantiva.

Oração subordinada
Qualquer termo que o substantivo seja núcleo pode se apresentar na forma de uma oração subordinada (oração subordinada substantiva).

Referências

Ferreira, Celso, Gramática da Língua Portuguesa, pag. 187

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: