educação Psicologia

Teoria do Desenvolvimento Psicossexual de Sigmund Freud

Na psicologia de Sigmund Freud, Desenvolvimento psicossexual é o elemento central da teoria psicanalítica dos instintos, para a qual os seres humanos, desde o nascimento, possuem uma libido instintiva que se desenvolve através de cinco estágios
Imagem disponível <https://farofafilosofica.com/2018/06/25/o-desejo-manifesto-pelos-sonhos-texto-de-sigmund-freud/>Acesso 24.mai.2020

Sigmund Freud (1856-1939) é mundialmente famoso por ter criado a Psicanálise e por seus numerosos trabalhos desenvolvidos entre o final do século XIX e o início do século XX, embora não possa ser considerado um pedagogo ou educador, já que em seus trabalhos não desenvolvem nenhuma reflexão razoavelmente sistemática sobre os fins e meios da Educação.

Freud acreditava que a personalidade se formava nos primeiros anos da vida e que nesse período as crianças passavam por conflitos inconscientes entre seus impulsos biológicos inatos e as exigências da sociedade, o que incluía a Educação.

Estágios do desenvolvimento psicossexual 

  • Fase oral (nascimento aos 12-18 meses): cuja principal fonte de prazer do bebê envolve atividades ligadas à boca (sugar e alimentar-se);
  • Fase anal (12-18 meses aos 3 anos): as crianças obtém gratificação sexual retendo ou expelindo fezes;
  • Fase fálica (3 aos 6 anos): as crianças se tornam apegadas ao genitor do sexo oposto e, posteriormente, identificam-se com o genitor do mesmo sexo. A zona de gratificação transfere-se para a região genital;
  • Período de Latência(6 anos à puberdade): época relativamente calma, comparada às fases anteriores;
  • Fase genital(puberdade à idade adulta):ressurgimento dos impulsos sexuais da fase fálica, dirigidos à sexualidade madura.

Fase oral

Imagem disponível <https://www.youtube.com/watch?v=fDzgjn5Apqs> Acesso 24.mai.2020

A primeira fase do desenvolvimento psicossexual é a fase oral, que vai desde o nascimento até os 18 meses de idade, em que a boca da criança é o foco de gratificação libidinal derivado do prazer de se alimentar no seio da mãe, e da exploração oral do seu ambiente, ou seja, a tendência em colocar objetos na boca.

O id domina, porque nem o ego nem o super ego estão ainda totalmente desenvolvidos, e, uma vez que a criança não tem personalidade (identidade), cada ação é baseada em princípio do prazer. No entanto, o ego infantil está se formando durante o estágio oral; dois fatores contribuem para sua formação:

  • (i) no desenvolvimento de uma imagem de corpo, a criança é discreta do mundo externo; por exemplo, a criança compreende a dor quando é aplicada ao seu corpo, identificando, assim, os limites físicos entre seu corpo e meio ambiente;
  • (ii) experimentar uma gratificação atrasada leva à compreensão de que comportamentos específicos satisfazem algumas necessidades, como por exemplo chorar gratifica certas necessidades.

Fase anal

O estágio anal, na psicologia freudiana, é o período de desenvolvimento humano que ocorre entre um e três anos de idade. Por volta dessa idade, a criança começa a aprender a utilizar o banheiro, o que provoca o fascínio da criança na zona erógena do ânus.

A zona erógena concentra-se no controle do intestino e da bexiga. Portanto, Freud acreditava que a libido estava principalmente focada em controlar os movimentos da bexiga e do intestino.

O estágio anal coincide com o início da capacidade da criança de controlar seu esfíncter anal e, portanto, sua capacidade de passar ou reter as fezes à vontade. Se as crianças durante este estágio puderem superar o conflito, isso resultará em um sentimento de realização e independência.

Fase fálica

O estágio fálico pode ser definido da seguinte forma:

Estágio de organização infantil da libido que segue as fases oral e anal e é caracterizado por uma unificação dos impulsos parciais sob a primazia dos órgãos genitais. Mas, ao contrário da organização genital puberal, o menino ou menina não reconhece, nesta fase, mais do que um único órgão genital, o masculino, e a oposição dos sexos é equivalente à oposição fálico-castrada. A fase fálica corresponde ao momento culminante e ao declínio do complexo de Édipo; nele predomina o complexo de castração.

Segundo a teoria freudiana, a zona erógena é então genital e uretral, e o prazer está ligado à exposição, ao voyeurismo relativo aos genitais.

Este é o período mais marcado pela angústia da castração e seu reconhecimento. Neste momento o sujeito reconhece para os dois sexos apenas o único órgão genital masculino, o falo e sua ausência (fálico ou castrado). Essa fase fálica pode levar ao reconhecimento do órgão genital feminino, levar à diferenciação dos sexos (pênis ou vagina) e ao reconhecimento da identidade sexual (masculina ou feminina) e da sexualidade.

No entanto,também aparece um conflito relacionado à proibição do incesto aspirado pelo complexo de Édipo: a criança quer possuir sua mãe, mas para isso ele deve destruir seu pai, seu rival, ao mesmo tempo em que o ama e o admira.

Esse sentimento cria um conflito importante do qual a criança deve sair. Para ser dono de sua mãe, ele se identificará com o pai, submetendo-se a sua autoridade; contudo, identificando-se com ele, ele se separará de sua mãe. O pai que era rival torna-se o objeto a imitar para se apropriar de seu poder.

Fase latente

estágio latente é um conceito desenvolvido por Sigmund Freud que designa um estágio no desenvolvimento psicossexual da criança.

psicanálise propõe um desenvolvimento sexual em dois períodos: um primeiro período, do nascimento ao chamado complexo de Édipo, e outro, da puberdade à maturidade sexual.

O período que medeia entre esses dois estágios é chamado de latência.

Laplanche o define como:

Período entre o declínio da sexualidade infantil (quinto ou sexto ano) e o início da puberdade, e representa um estágio de detenção na evolução da sexualidade. Durante este período, uma diminuição nas atividades sexuais, a dessexualização das relações objetais e de sentimentos (especialmente a predominância da ternura sobre os desejos sexuais) e o surgimento de sentimentos como a modéstia o desgosto e das aspirações morais e estéticas. Segundo a teoria psicanalítica, o período de latência tem sua origem no declínio do complexo de Édipo; corresponde a uma intensificação da repressão (que causa uma amnésia que cobre os primeiros anos), uma transformação da catexia dos objetos em identificações com os pais e um desenvolvimento de sublimações.

Fase genital

O estágio genital aparece quando os impulsos sexuais e agressivos retornaram. A fonte do prazer sexual se expande para fora da mãe e do pai.

Se durante o estágio fálico a criança foi inconscientemente atraída pelo pai do mesmo sexo, então relacionamentos homossexuais podem ocorrer durante esse estágio. No entanto, essa interpretação do estágio fálico é incongruente com o que o estágio fálico basicamente entendido implica.

complexo de Édipo, que é um dos componentes mais significativos do estágio fálico, pode ser explicado como a necessidade de obter o máximo de uma resposta da figura parental que é o principal objeto da libido.

Deve ser esclarecido que é mais frequentemente a mãe quem dá a gratificação em resposta a uma descarga e/ou manifestação da libido e é, portanto, o objeto da libido infantil – não o pai.

É menos provável que o sujeito tenha qualquer atração sexual inconsciente pelo pai, porque o pai é a fonte da incapacidade do sujeito de possuir a mãe: o sujeito ainda está focado em receber atenção da mãe. Além disso, toda atração sexual durante o estágio fálico é puramente inconsciente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: