Clássicos Filosofia Política

Fórmula geral para o capital por Karl Marx

Comprar para vender, ou, mais precisamente, comprar para vender mais caro

Capítulo IV
A fórmula geral para o capital

A circulação de mercadorias é o ponto de partida do capital. A produção de mercadorias, sua circulação e a forma mais desenvolvida de circulação, chamada comércio, formam o trabalho de base histórico do qual ela se origina. A história moderna do capital data da criação, no século XVI, de um comércio mundial e de um mercado mundial.

Se abstraímos da substância material da circulação de mercadorias, isto é, da troca dos vários valores de uso, e consideramos apenas as formas econômicas produzidas por esse processo de circulação, encontramos seu resultado final em dinheiro: este final produto da circulação de mercadorias é a primeira forma na qual o capital aparece.

Por uma questão de história, o capital, ao contrário da propriedade fundiária, invariavelmente toma a forma a princípio do dinheiro; aparece como riqueza monetária, como capital do comerciante e do usurário. Mas não precisamos nos referir à origem do capital para descobrir que a primeira forma de aparência do capital é o dinheiro. Podemos vê-lo diariamente sob nossos próprios olhos. Todo novo capital, para começar, entra em cena, ou seja, no mercado, seja de mercadorias, mão-de-obra ou dinheiro, mesmo em nossos dias, na forma de dinheiro que, por um processo definido, precisa ser transformado em capital .

A primeira distinção que observamos entre dinheiro que é apenas dinheiro e dinheiro que é capital não passa de uma diferença em sua forma de circulação. A forma mais simples de circulação de mercadorias é C-M-C, a transformação de mercadorias em dinheiro e a mudança do dinheiro novamente em mercadorias; ou vender para comprar. Mas, além dessa forma, encontramos outra forma especificamente diferente: M-C-M, a transformação de dinheiro em mercadorias e a mudança de mercadorias novamente em dinheiro; ou comprando para vender. O dinheiro que circula dessa maneira é assim transformado, torna-se capital e já é potencialmente capital.

Agora vamos examinar o circuito M-C-M um pouco mais perto. Consiste, como o outro, em duas fases antitéticas. Na primeira fase, M-C, ou a compra, o dinheiro é transformado em uma mercadoria. Na segunda fase, C-M, ou a venda, a mercadoria é transformada novamente em dinheiro. A combinação dessas duas fases constitui o movimento único pelo qual o dinheiro é trocado por uma mercadoria e a mesma mercadoria é novamente trocada por dinheiro; em que uma mercadoria é comprada para ser vendida ou, negligenciando a distinção de forma entre compra e venda, em que uma mercadoria é comprada com dinheiro e, em seguida, o dinheiro é comprado com uma mercadoria.

O resultado, no qual as fases do processo desaparecem, é a troca de dinheiro por dinheiro, M-M. Se eu comprar 2.000 libras. de algodão por £ 100 e revenda as 2.000 libras. de algodão por 110 libras, troquei, de fato, 100 libras por 110 libras, dinheiro por dinheiro. Agora é evidente que o circuito M-C-M seria absurdo e sem sentido se a intenção fosse trocar por esse meio duas somas iguais de dinheiro, 100 libras por 100 libras. O plano do avarento seria muito mais simples e seguro; ele mantém seus 100 libras em vez de expô-lo aos perigos da circulação. E, no entanto, se o comerciante que pagou 100 libras por seu algodão o vende por 110 libras, ou o libera por 100 libras, ou mesmo 50 libras, seu dinheiro, em todo o caso, passou por um movimento característico e original, bastante diferente em espécie do que passa nas mãos do camponês que vende milho e, com o dinheiro liberado, compra roupas. Portanto, devemos examinar primeiro as características distintivas das formas dos circuitos M-C-M e C-M-C e, ao fazer isso, a diferença real subjacente à mera diferença de forma se revelará.

Vamos ver, em primeiro lugar, o que as duas formas têm em comum. Ambos os circuitos podem ser resolvidos nas mesmas duas fases antitéticas, C-M, uma venda e MC, uma compra. Em cada uma dessas fases, os mesmos elementos materiais – uma mercadoria e dinheiro, e o mesmo dramatis personae econômico, um comprador e um vendedor – se confrontam. Cada circuito é a unidade das mesmas duas fases antitéticas e, em cada caso, essa unidade é provocada pela intervenção de três partes contratantes, das quais uma só vende, outra só compra, enquanto a terceira compra e vende.

O que, contudo, antes de mais nada distingue o circuito C-M-C do circuito M-C-M, é a ordem de sucessão invertida das duas fases. A simples circulação de mercadorias começa com uma venda e termina com uma compra, enquanto a circulação de dinheiro como capital começa com uma compra e termina com uma venda. No primeiro caso, tanto o ponto de partida quanto o objetivo são mercadorias, no outro são dinheiro. Na primeira forma, o movimento é provocado pela intervenção do dinheiro, na segunda pela de uma mercadoria.

Na circulação C-M-C, o dinheiro é finalmente convertido em uma mercadoria, que serve como valor de uso; é gasto de uma vez por todas. Na forma invertida, M-C-M, pelo contrário, o comprador distribui dinheiro para que, como vendedor, ele possa recuperar dinheiro. Com a compra de sua mercadoria, ele lança dinheiro em circulação, a fim de retirá-lo novamente pela venda da mesma mercadoria. Ele deixa o dinheiro ir, mas apenas com a intenção astuta de recuperá-lo. O dinheiro, portanto, não é gasto, é apenas avançado.

No circuito C-M-C, a mesma moeda muda de lugar duas vezes. O vendedor recebe do comprador e o paga a outro vendedor. A circulação completa, que começa com o recebimento, termina com o pagamento do dinheiro pelas mercadorias. É o contrário no circuito M-C-M. Aqui não é o pedaço de dinheiro que muda de lugar duas vezes, mas a mercadoria. O comprador pega nas mãos do vendedor e as passa para as mãos de outro comprador. Assim como na simples circulação de mercadorias, a dupla troca de lugar da mesma peça de dinheiro afeta sua passagem de uma mão para outra, então aqui a dupla troca de lugar da mesma mercadoria leva o refluxo da moeda a seu ponto de vista de saída.

Esse refluxo não depende da mercadoria ser vendida por mais do que foi pago por ela. Essa circunstância influencia apenas a quantidade de dinheiro que volta. O próprio refluxo ocorre, assim que a mercadoria comprada é revendida, em outras palavras, assim que o circuito M-C-M é concluído. Temos aqui, portanto, uma diferença palpável entre a circulação do dinheiro como capital e sua circulação como mero dinheiro.

O circuito C-M-C chega ao fim completamente, assim que o dinheiro trazido pela venda de uma mercadoria é abstraído novamente pela compra de outra. Se, no entanto, houver um refluxo de dinheiro no seu ponto de partida, isso só poderá ocorrer mediante uma renovação ou repetição da operação. Se eu vender um quarto de milho por 3 libras e, com isso, comprar 3 libras, o dinheiro, para mim, é gasto e acabado. Pertence ao comerciante de roupas. Se agora eu vendo um segundo quarto de milho, o dinheiro realmente volta para mim, não como uma sequência da primeira transação, mas em conseqüência de sua repetição. O dinheiro novamente me deixa, assim que concluo esta segunda transação com uma nova compra. Portanto, no circuito C-M-C, o gasto de dinheiro não tem nada a ver com seu refluxo. Por outro lado, em M-C-M, o refluxo do dinheiro é condicionado pelo próprio modo de suas despesas. Sem esse refluxo, a operação falha ou o processo é interrompido e incompleto, devido à ausência de sua fase complementar e final, a venda.

O circuito C-M-C começa com uma mercadoria e termina com outra, que sai de circulação e entra em consumo. Consumo, satisfação de desejos, em uma palavra, valor de uso, é seu fim e objetivo. O circuito M-C-M, pelo contrário, começa com dinheiro e termina com dinheiro. Seu principal motivo e o objetivo que o atrai são, portanto, mero valor de troca. Na simples circulação de mercadorias, os dois extremos do circuito têm a mesma forma econômica. Ambos são mercadorias e mercadorias de igual valor. Mas eles também são valores de uso que diferem em suas qualidades, como, por exemplo, milho e roupas.

A troca de produtos, dos diferentes materiais em que o trabalho da sociedade está incorporado, forma aqui a base do movimento. É o contrário na circulação M-C-M, que à primeira vista parece sem propósito, porque tautológica. Ambos os extremos têm a mesma forma econômica. Ambos são dinheiro e, portanto, não são valores de uso qualitativamente diferentes; pois o dinheiro é apenas a forma convertida de mercadorias, na qual seus valores de uso particulares desaparecem. Trocar 100 libras esterlinas por algodão, e depois esse mesmo algodão novamente por 100 libras, é apenas uma maneira indireta de trocar dinheiro por dinheiro, o mesmo pelo mesmo, e parece ser uma operação tão sem propósito quanto absurda.

Uma quantia em dinheiro é distinguível de outra apenas pela sua quantia. O caráter e a tendência do processo M-C-M, portanto, não se devem a nenhuma diferença qualitativa entre seus extremos, sendo ambos dinheiro, mas unicamente à sua diferença quantitativa. Mais dinheiro é retirado da circulação no final do que foi jogado no início. O algodão que foi comprado por £ 100 talvez seja revendido por £ 100 + £ 10 ou £ 110. A forma exata desse processo é, portanto, M-C-M ‘, onde M’ = M + D M = a soma original avançada, mais um incremento. Esse incremento ou excesso em relação ao valor original denomino “mais-valia”. O valor inicialmente avançado, portanto, não apenas permanece intacto enquanto está em circulação, como acrescenta a si próprio um valor excedente ou se expande. É esse movimento que o converte em capital.

Certamente, também é possível que, em C-M-C, os dois extremos C-C, digamos milho e roupas, possam representar quantidades diferentes de valor. O agricultor pode vender seu milho acima do seu valor, ou pode comprar as roupas por menos do que o seu valor. Por outro lado, ele pode “ser feito” pelo comerciante de roupas. No entanto, na forma de circulação agora em consideração, essas diferenças de valor são puramente acidentais. O fato de o milho e a roupa serem equivalentes não priva o processo de todo significado, como ocorre em M-C-M. A equivalência de seus valores é uma condição necessária ao seu curso normal. A repetição ou renovação do ato de vender para comprar é mantida dentro dos limites pelo próprio objeto a que se destina, a saber, o consumo ou a satisfação de desejos definidos, um objetivo que se encontra completamente fora da esfera de circulação. Mas quando compramos para vender, pelo contrário, começamos e terminamos com a mesma coisa: dinheiro, valor de troca; e assim o movimento se torna interminável. Sem dúvida, M se torna M + D M, £ 100 se tornam £ 110. Porém, quando vistos apenas em seu aspecto qualitativo, 110 libras são iguais a 100 libras, ou seja, dinheiro; e considerado quantitativamente, £ 110 é, como £ 100, uma soma de valor definido e limitado. Se agora, as 110 libras forem gastas em dinheiro, elas deixarão de fazer sua parte.

Eles não são mais capital. Retirados da circulação, tornam-se petrificados em um tesouro, e, embora permanecessem nesse estado até o dia do juízo final, nem um único peido lhes seria concedido. Se, então, a expansão do valor é pretendida uma vez, existe o mesmo incentivo para aumentar o valor de 110 libras esterlinas que o das 100 libras; pois ambos são apenas expressões limitadas de valor de troca e, portanto, ambos têm a mesma vocação de abordar, por aumento quantitativo, o mais próximo possível da riqueza absoluta. Momentaneamente, de fato, o valor inicialmente avançado, as 100 libras são distinguíveis da mais-valia de 10 libras que lhe é anexada durante a circulação; mas a distinção desaparece imediatamente. No final do processo, não recebemos, por um lado, as £ 100 originais e, por outro, a mais-valia de £ 10. Simplesmente obtemos um valor de 110 libras, que está exatamente nas mesmas condições e condições para iniciar o processo de expansão, como as 100 libras originais. O dinheiro termina o movimento apenas para recomeçar.

Portanto, o resultado final de cada circuito separado, no qual uma compra e consequente venda são concluídas, forma por si só o ponto de partida de um novo circuito. A simples circulação de mercadorias – vender para comprar – é um meio de realizar um propósito não relacionado à circulação, a saber, a apropriação de valores de uso, a satisfação de desejos. A circulação da moeda como capital é, pelo contrário, um fim em si mesma, pois a expansão do valor ocorre apenas dentro desse movimento constantemente renovado. A circulação do capital, portanto, não tem limites.

Como representante consciente desse movimento, o possuidor de dinheiro se torna capitalista. Sua pessoa, ou melhor, seu bolso, é o ponto em que o dinheiro começa e para o qual ele retorna. A expansão do valor, que é a base objetiva ou principal fonte da circulação MCM, torna-se seu objetivo subjetivo, e é apenas na medida em que a apropriação de cada vez mais riqueza em abstrato se torna o único motivo de suas operações. ele funciona como capitalista, isto é, como capital personificado e dotado de consciência e vontade. Portanto, os valores de uso nunca devem ser encarados como o objetivo real do capitalista; nem o lucro em uma única transação. O inquieto e interminável processo de obter lucro sozinho é o que ele visa. Essa ganância sem limites pelas riquezas, essa busca apaixonada pelo valor de troca, é comum ao capitalista e ao avarento; mas enquanto o avarento é apenas um capitalista enlouquecido, o capitalista é um avarento racional. O aumento interminável do valor da troca, que o avarento busca depois, tentando economizar seu dinheiro da circulação, é atingido pelo capitalista mais agudo, constantemente lançando-o novamente em circulação.

A forma independente, isto é, a forma de dinheiro, que o valor das mercadorias assume no caso da circulação simples, serve apenas a um propósito, a saber, sua troca e desaparece no resultado final do movimento. Por outro lado, na circulação M-C-M, tanto o dinheiro quanto a mercadoria representam apenas modos diferentes de existência do valor em si, o dinheiro seu modo geral e a mercadoria seu modo particular ou, por assim dizer, disfarçado.

Ele muda constantemente de uma forma para a outra, sem se perder, e, portanto, assume um caráter automaticamente ativo. Se agora adotamos, por sua vez, cada uma das duas formas diferentes que o valor auto-expansivo assume sucessivamente no decorrer de sua vida, chegamos a essas duas proposições: Capital é dinheiro: Capital é mercadoria. Na verdade, porém, o valor é aqui o fator ativo de um processo, no qual, embora assuma constantemente a forma, por sua vez, de dinheiro e mercadorias, muda ao mesmo tempo em magnitude, diferencia-se jogando fora a mais-valia de si; o valor original, em outras palavras, se expande espontaneamente. Pois o movimento, no decorrer do qual acrescenta valor excedente, é seu próprio movimento, sua expansão, portanto, é uma expansão automática. Por ser valor, adquiriu a qualidade oculta de poder agregar valor a si próprio. Produz descendentes vivos ou, pelo menos, põe ovos de ouro.

O valor, portanto, sendo o fator ativo de tal processo, e assumindo ao mesmo tempo a forma de dinheiro, em outro a de mercadorias, mas através de todas essas mudanças preservando-se e expandindo-se, exige alguma forma independente, por meio da qual sua identidade pode a qualquer momento ser estabelecida. E esta forma possui apenas na forma de dinheiro. É sob a forma de dinheiro que o valor começa e termina, e começa novamente, todos os atos de sua própria geração espontânea. Começou sendo £ 100, agora é £ 110, e assim por diante. Mas o dinheiro em si é apenas uma das duas formas de valor. A menos que tome a forma de alguma mercadoria, ela não se torna capital. Aqui não há antagonismo, como no caso da acumulação, entre dinheiro e mercadorias. O capitalista sabe que todas as mercadorias, por mais escandalosas que pareçam, ou por mais mal que cheiram, estão na fé e na verdade dinheiro, judeus circuncidados interiormente e, além disso, um meio maravilhoso de gastar dinheiro para ganhar mais dinheiro.

Em circulação simples, C-M-C, o valor das mercadorias atingido no máximo uma forma independente de seus valores de uso, isto é, a forma de dinheiro; mas esse mesmo valor agora na circulação MCM, ou circulação do capital, de repente se apresenta como uma substância independente, dotada de um movimento próprio, passando por um processo de vida próprio, no qual dinheiro e mercadorias são meras formas que ele assume e lança fora por sua vez. Mais ainda: em vez de simplesmente representar as relações das mercadorias, ela entra agora, por assim dizer, em relações privadas consigo mesma. Ele se diferencia como valor original de si mesmo como mais-valor; como o pai se diferencia de si mesmo como filho, ambos têm uma e uma idade: pois somente pela mais-valia de 10 libras as 100 libras originalmente adiantadas se tornam capital e, tão logo isso ocorre, tão logo o filho, e pelo filho, o pai, é gerado, tão logo a diferença desaparece, e eles novamente se tornam um, £ 110.

Portanto, o valor agora se torna valor em processo, dinheiro em processo e, como tal, capital. Ele sai de circulação, entra novamente, preserva e se multiplica dentro de seu circuito, volta com volume expandido e começa a mesma rodada sempre de novo. M-M ‘, dinheiro que gera dinheiro, tal é a descrição do capital da boca de seus primeiros intérpretes, os mercantilistas.

Comprar para vender, ou, mais precisamente, comprar para vender mais caro, M-C-M ‘, parece certamente ser uma forma peculiar a apenas um tipo de capital, a saber, o capital dos comerciantes. Mas o capital industrial também é dinheiro, que é transformado em mercadorias e, com a venda dessas mercadorias, é reconvertido em mais dinheiro. Os eventos que ocorrem fora da esfera de circulação, no intervalo entre a compra e a venda, não afetam a forma desse movimento. Por fim, no caso de capital remunerado, a circulação M-C-M ‘aparece abreviada. Temos seu resultado sem o estágio intermediário, na forma M-M ‘, “em estilo lapidário”, por assim dizer, dinheiro que vale mais dinheiro, valor que é maior que ele próprio. M-C-M ‘é, portanto, na realidade a fórmula geral do capital, pois parece prima facie na esfera da circulação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: