Clássicos Filosofia Política

Crítica ao programa de Gotha por Karl Marx

Deste ponto de vista, portanto, é novamente absurdo dizer que, juntamente com a burguesia e com os senhores feudais em barganha, "formam apenas uma massa reacionária" em relação à classe trabalhadora.

I

“O trabalho é a fonte de riqueza e toda a cultura, e como o trabalho útil só é possível na sociedade e através da sociedade, o produto do trabalho permanece inalterado, com igual direito a todos os membros da sociedade”.

1-

Primeira parte do parágrafo: “O trabalho é a fonte de toda riqueza e cultura”.

O trabalho não é a fonte de toda riqueza. A natureza é tanto a fonte dos valores de uso (e certamente a riqueza material consiste!) Quanto o trabalho, que por si só é apenas a manifestação de uma força da natureza, a força de trabalho humana. A frase acima pode ser encontrada em todas as cartilhas das crianças e está correta na medida em que está implícito que o trabalho é realizado com os temas e os instrumentos acessórios. Mas um programa socialista não pode permitir que essas frases burguesas deixem passar em silêncio as condições que só lhes dão significado.

E desde que o homem, desde o princípio, se comporta em relação à natureza, a fonte primária de todos os instrumentos e assuntos do trabalho, como proprietário, a trata como pertencente a ele, seu trabalho se torna a fonte de valores de uso, portanto também de riqueza. Os burgueses têm boas bases para atribuir falsamente poder criativo sobrenatural ao trabalho; uma vez que, precisamente pelo fato de o trabalho depender da natureza, segue-se que o homem que não possui outra propriedade além de sua força de trabalho deve, em todas as condições da sociedade e da cultura, ser escravo de outros homens que se tornaram donos das condições materiais do trabalho. Ele só pode trabalhar com a permissão deles, portanto, viver apenas com a permissão deles.

Deixemos agora a frase como está, ou melhor, manca. O que se poderia esperar em conclusão?

Obviamente isso:

“Visto que o trabalho é a fonte de toda a riqueza, ninguém na sociedade pode apropriar-se da riqueza, exceto como produto do trabalho. Portanto, se ele próprio não trabalha, vive do trabalho de outros e também adquire sua cultura às custas do trabalho dos outros “.

Em vez disso, por meio do rio verbal “e desde”, uma proposição é adicionada para extrair uma conclusão disso e não da primeira.

Segunda parte do parágrafo:

“Trabalho útil só é possível na sociedade e através da sociedade”.

De acordo com a primeira proposição, o trabalho era a fonte de toda riqueza e cultura; portanto, nenhuma sociedade é possível sem trabalho. Agora aprendemos, inversamente, que nenhum trabalho “útil” é possível sem a sociedade.

Poder-se-ia dizer também que somente na sociedade o trabalho inútil e até socialmente prejudicial pode se tornar um ramo de ocupação remunerada, que somente na sociedade se pode viver ficando ocioso etc. etc. etc. – enfim, uma vez poderíamos bem ter copiado todo o Rousseau.

E o que é trabalho “útil”? Certamente, apenas o trabalho que produz o resultado útil pretendido. Um selvagem – e o homem era selvagem depois de deixar de ser um macaco – que mata um animal com uma pedra, que colhe frutas etc., realiza trabalho “útil”.

Em terceiro lugar, a conclusão:

“O trabalho útil só é possível na sociedade e, através da sociedade, o produto do trabalho permanece inalterado, com igual direito a todos os membros da sociedade”.

Uma boa conclusão! Se o trabalho útil é possível apenas na sociedade e através da sociedade, o produto do trabalho pertence à sociedade – e somente um resultado é acumulado para o trabalhador individual que não é necessário para manter a “condição” do trabalho, a sociedade.

De fato, essa proposição sempre foi usada pelos defensores do estado da sociedade que prevaleciam a qualquer momento. Primeiro vem as reivindicações do governo e tudo o que se apega a ele, uma vez que é o órgão social para a manutenção da ordem social; depois vêm as reivindicações dos vários tipos de propriedade privada, pois os vários tipos de propriedade privada são os fundamentos da sociedade, etc.

Vê-se que tais frases vazias são os fundamentos da sociedade, etc. Vê-se que essas frases vazias podem ser distorcidas e giradas conforme desejado. A primeira e a segunda partes do parágrafo têm alguma conexão inteligível apenas na seguinte redação:

“O trabalho se torna a fonte de riqueza e cultura apenas como trabalho social”,


ou, o que é a mesma coisa,

“na e através da sociedade”.

Essa proposição é incontestavelmente correta, pois, embora o trabalho isolado (suas condições materiais pressupostas) possa criar valor de uso, ele não pode criar riqueza nem cultura. Mas igualmente incontestável é essa outra proposição:

“Na proporção em que o trabalho se desenvolve socialmente e se torna, assim, uma fonte de riqueza e cultura, a pobreza e a miséria se desenvolvem entre os trabalhadores, e a riqueza e a cultura entre os não trabalhadores”.

Esta é a lei de toda a história até agora. O que, portanto, tinha que ser feito aqui, em vez de estabelecer frases gerais sobre “trabalho” e “sociedade”, era provar concretamente como na sociedade capitalista atual o material etc. etc. finalmente foram criadas condições que possibilitam e obrigam os trabalhadores para levantar esta maldição social.

De fato, no entanto, todo o parágrafo, misturado em estilo e conteúdo, existe apenas para inscrever a palavra de ordem de Lassallean dos “rendimentos do trabalho não diminuídos” como um slogan no topo da faixa do partido. Voltarei mais tarde ao “produto do trabalho”, ao “direito igual”, etc., pois a mesma coisa se repete de uma forma um pouco diferente.

“Na sociedade atual, os instrumentos do trabalho são o monopólio da classe capitalista; a dependência resultante da classe trabalhadora é a causa da miséria e da servidão em todas as formas”.

2-

Esta frase, emprestada do Regulamento Internacional, está incorreta nesta edição “aprimorada”.

Na sociedade atual, os instrumentos do trabalho são o monopólio dos proprietários de terras (o monopólio da propriedade na terra é até a base do monopólio do capital) e dos capitalistas. No trecho em questão, as Regras da Internacional não mencionam uma ou outra classe de monopolistas. Eles falam do “monopolizador dos meios de trabalho, isto é, as fontes da vida”.

A adição, “fontes de vida”, deixa suficientemente claro que a terra está incluída nos instrumentos de trabalho. A correção foi introduzida porque Lassalle, por razões agora conhecidas, atacou apenas a classe capitalista e não os proprietários de terras. Na Inglaterra, a classe capitalista geralmente não é a dona da terra em que sua fábrica se localiza.

“A emancipação do trabalho exige a promoção dos instrumentos do trabalho para a propriedade comum da sociedade e a regulamentação cooperativa do trabalho total, com uma distribuição justa dos rendimentos do trabalho.

3-

“A promoção dos instrumentos de trabalho para a propriedade comum” deveria obviamente ler sua “conversão em propriedade comum”; mas isso está apenas passando.

Quais são os “rendimentos do trabalho”? O produto do trabalho ou seu valor? E neste último caso, é o valor total do produto, ou apenas a parte do valor que a mão-de-obra adicionou recentemente ao valor dos meios de produção consumidos?

“Produto do trabalho” é uma noção vaga que Lassalle colocou no lugar de concepções econômicas definidas. O que é “uma distribuição justa”?

Os burgueses não afirmam que a distribuição atual é “justa”?

E não é, de fato, a única distribuição “justa” com base no modo de produção atual? As relações econômicas são reguladas por concepções legais ou, pelo contrário, as relações jurídicas surgem das econômicas? Os sectários socialistas também não têm as noções mais variadas sobre distribuição “justa”? Para entender o que está implícito nessa conexão pela frase “distribuição justa”, devemos levar o primeiro parágrafo e este juntos. Este pressupõe uma sociedade em que os instrumentos do trabalho são propriedade comum e o trabalho total é regulado cooperativamente e, a partir do primeiro parágrafo, aprendemos que “o produto do trabalho permanece inalterado, com igual direito a todos os membros da sociedade”.

“Para todos os membros da sociedade”?

Para quem não trabalha tão bem? O que resta então do produto “não diminuído” do trabalho? Somente para os membros da sociedade que trabalham? O que resta então do “direito igual” de todos os membros da sociedade? Mas “todos os membros da sociedade” e “direito igual” são obviamente meras frases. O núcleo consiste nisso, que nesta sociedade comunista todo trabalhador deve receber os rendimentos “não diminuídos” de Lassallean “do trabalho”.

Tomemos, antes de tudo, as palavras “produto do trabalho” no sentido do produto do trabalho; então o produto do trabalho cooperativo é o produto social total. A partir disso, é necessário deduzir: Primeiro, cubra a substituição dos meios de produção utilizados. Segundo, parcela adicional para expansão da produção. Terceiro, fundos de reserva ou seguro para prover contra acidentes, deslocamentos causados ​​por calamidades naturais, etc.

Essas deduções do produto “não diminuído” do trabalho são uma necessidade econômica, e sua magnitude deve ser determinada de acordo com os meios e forças disponíveis e, em parte, pelo cálculo das probabilidades, mas não são de forma alguma calculáveis ​​pelo patrimônio líquido.

Resta a outra parte do produto total, destinada a servir como meio de consumo.

Antes que isso seja dividido entre os indivíduos, é preciso deduzir novamente:

Primeiro, os custos gerais de administração que não pertencem à produção. Esta parte será, desde o início, muito consideravelmente restrita em comparação com a sociedade atual e diminui proporcionalmente à medida que a nova sociedade se desenvolve. Segundo, o que se destina à satisfação comum de necessidades, como escolas, serviços de saúde etc.

Desde o início, essa parte cresce consideravelmente em comparação com a sociedade atual e cresce proporcionalmente à medida que a nova sociedade se desenvolve. Terceiro, fundos para aqueles que não podem trabalhar etc., enfim, para o que está hoje incluído na chamada assistência oficial aos pobres. Somente agora chegamos à “distribuição” que o programa, sob influência de Lassallean, apenas tem em vista de maneira restrita – a saber, a parte dos meios de consumo que é dividida entre os produtores individuais da cooperativa. sociedade.

O produto “não-diminuído” do trabalho já se tornou imperceptivelmente convertido no produto “diminuído”, embora o que o produtor é privado em sua capacidade como indivíduo privado o beneficie direta ou indiretamente em sua capacidade como membro da sociedade. Assim como a frase “produto do trabalho” não diminuído desapareceu, agora também a frase “produto do trabalho” desaparece completamente.

Dentro da sociedade cooperativa baseada na propriedade comum dos meios de produção, os produtores não trocam seus produtos; da mesma forma que o trabalho empregado nos produtos aparece aqui como o valor desses produtos, como uma qualidade material que eles possuem, pois agora, em contraste com a sociedade capitalista, o trabalho individual não existe mais de maneira indireta, mas diretamente como componente. parte do trabalho total.

A frase “produto do trabalho”, hoje censurável também hoje por causa de sua ambiguidade, perde todo sentido. O que temos de lidar aqui é uma sociedade comunista, não como ela se desenvolveu em seus próprios fundamentos, mas, pelo contrário, assim como emerge da sociedade capitalista; que é, portanto, sob todos os aspectos, econômica, moral e intelectualmente, ainda carimbado com as marcas de nascença da antiga sociedade de cujo ventre emerge.

Conseqüentemente, o produtor individual recebe de volta da sociedade – depois que as deduções foram feitas – exatamente o que ele dá a ela. O que ele deu a ele é o seu quantum individual de trabalho. Por exemplo, o dia útil social consiste na soma das horas individuais de trabalho; o tempo de trabalho individual do produtor individual é a parte da jornada social de trabalho que ele contribui, sua parte nela. Ele recebe um certificado da sociedade de que forneceu tal e tal quantidade de trabalho (depois de deduzir seu trabalho pelos fundos comuns); e com esse certificado, ele extrai do estoque social de meios de consumo a mesma quantidade de custo da mão-de-obra. A mesma quantidade de trabalho que ele deu à sociedade de uma forma, ele recebe de volta em outra.

Aqui, obviamente, prevalece o mesmo princípio que o que regula a troca de mercadorias, na medida em que é a troca de valores iguais. O conteúdo e a forma são alterados, porque, nas circunstâncias alteradas, ninguém pode dar nada, exceto seu trabalho, e porque, por outro lado, nada pode passar para a propriedade dos indivíduos, exceto os meios de consumo individuais. Mas no que diz respeito à distribuição destes últimos entre os produtores individuais, prevalece o mesmo princípio que na troca de equivalentes de mercadorias: uma determinada quantidade de trabalho em uma forma é trocada por uma quantidade igual de trabalho em outra forma.

Portanto, a igualdade aqui ainda é, em princípio – o direito burguês, embora princípio e prática não estejam mais em desacordo, enquanto a troca de equivalentes na troca de mercadorias existe apenas na média e não no caso individual. Apesar desse avanço, esse direito igual ainda é constantemente estigmatizado por uma limitação burguesa. O direito dos produtores é proporcional ao trabalho que eles fornecem; a igualdade consiste no fato de que a medição é feita com um padrão igual, trabalho.

Mas um homem é superior a outro, física ou mentalmente, e fornece mais trabalho ao mesmo tempo, ou pode trabalhar por mais tempo; e o trabalho, para servir como medida, deve ser definido por sua duração ou intensidade; caso contrário, deixa de ser um padrão de medida. Esse direito igual é um direito desigual para o trabalho desigual. Não reconhece diferenças de classe, porque todo mundo é apenas um trabalhador como todo mundo; mas reconhece tacitamente a dotação individual desigual e, portanto, a capacidade produtiva, como um privilégio natural. É, portanto, um direito à desigualdade, em seu conteúdo, como todo direito. O direito, por sua própria natureza, pode consistir apenas na aplicação de um padrão igual; mas indivíduos desiguais (e eles não seriam indivíduos diferentes se não fossem desiguais) são mensuráveis ​​apenas por um padrão igual na medida em que são levados a um mesmo ponto de vista, são tomados apenas de um lado definido – por exemplo, no presente caso, são considerados apenas trabalhadores e nada mais é visto neles, tudo o mais sendo ignorado.

Além disso, um trabalhador é casado, outro não; um tem mais filhos que outro, e assim por diante. Assim, com um desempenho igual de trabalho e, portanto, igual no fundo de consumo social, um receberá de fato mais que outro, um será mais rico que outro, e assim por diante. Para evitar todos esses defeitos, certo, em vez de ser igual, teria que ser desigual.

Mas esses defeitos são inevitáveis ​​na primeira fase da sociedade comunista, assim como ocorre quando acaba de emergir após prolongadas dores de parto da sociedade capitalista. O direito nunca pode ser mais alto do que a estrutura econômica da sociedade e seu desenvolvimento cultural condicionados por isso.

Numa fase mais alta da sociedade comunista, após a subordinação escravizadora do indivíduo à divisão do trabalho, e com isso também a antítese entre trabalho mental e físico, desapareceu; depois que o trabalho de parto se tornou não apenas um meio de vida, mas a principal necessidade da vida; depois que as forças produtivas também aumentaram com o desenvolvimento geral do indivíduo, e todas as fontes de riqueza cooperativa fluem mais abundantemente – só então é que o estreito horizonte do direito burguês pode ser atravessado em sua totalidade e a sociedade se inscrever. seus estandartes: de cada um segundo sua capacidade, a cada um segundo suas necessidades!

Eu lidei mais detalhadamente com o produto “não diminuído” do trabalho, por um lado, e com o “direito igual” e a “distribuição justa”, por outro, a fim de mostrar que crime é tentar, por outro lado, por um lado, forçar novamente nosso Partido, como dogmas, idéias que em certo período tiveram algum significado, mas que agora se tornaram obsoletas, enquanto pervertem, por outro, a perspectiva realista, que custou tanto esforço para incutir no Partido, mas que agora se enraíza nele, por meio de bobagens ideológicas sobre o direito e outro lixo tão comum entre os democratas e socialistas franceses.

Independentemente da análise até agora apresentada, em geral foi um erro fazer barulho sobre a chamada distribuição e colocar o estresse principal nela. Qualquer distribuição, seja qual for o meio de consumo, é apenas uma conseqüência da distribuição das próprias condições de produção. A última distribuição, no entanto, é uma característica do próprio modo de produção. O modo de produção capitalista, por exemplo, repousa no fato de que as condições materiais de produção estão nas mãos de não-trabalhadores na forma de propriedade no capital e na terra, enquanto as massas são apenas donas da condição pessoal de produção, de trabalho poder.

Se os elementos de produção são assim distribuídos, a distribuição atual dos meios de consumo resulta automaticamente. Se as condições materiais de produção são propriedade cooperativa dos próprios trabalhadores, também resulta uma distribuição dos meios de consumo diferentes dos atuais. O socialismo vulgar (e a partir dele, por sua vez, uma seção dos democratas) assumiu dos economistas burgueses a consideração e o tratamento da distribuição como independentes do modo de produção e, portanto, a apresentação do socialismo como voltada principalmente para a distribuição. Depois que a relação real é esclarecida há muito tempo, por que retroceder novamente?

“A emancipação do trabalho deve ser o trabalho da classe trabalhadora, em relação ao qual todas as outras classes são apenas uma massa reacionária”.

4-

O primeiro passo é retirado das palavras introdutórias do Regulamento Internacional, mas “melhorado”. Ali se diz:

“A emancipação da classe trabalhadora deve ser o ato dos próprios trabalhadores”;

aqui, pelo contrário, a “classe trabalhadora” tem que emancipar – o que? “Trabalho.” Deixe-o entender quem pode. Em compensação, o anti-conflito, por outro lado, é uma citação lassaleana de primeira água: “relativa à qual” (a classe trabalhadora) “todas as outras classes são apenas uma massa reacionária”. No Manifesto Comunista, diz-se:

“De todas as classes que estão cara a cara com a burguesia hoje em dia, o proletariado sozinho é uma classe realmente revolucionária. As outras classes decaem e finalmente desaparecem diante da indústria moderna; o proletariado é seu produto especial e essencial”.

A burguesia é aqui concebida como uma classe revolucionária – como portadora de uma indústria em larga escala – em relação aos senhores feudais e à classe média baixa, que desejam manter todas as posições sociais que são a criação de modos de produção obsoletos. Assim, eles não formam junto com a burguesia “apenas uma massa reacionária”.

Por outro lado, o proletariado é revolucionário em relação à burguesia porque, tendo crescido com base na indústria de grande escala, tenta retirar da produção o caráter capitalista que a burguesia busca perpetuar. Mas o Manifesto acrescenta que a “classe média baixa” está se tornando revolucionária

“em vista da transferência iminente para o proletariado”.

Deste ponto de vista, portanto, é novamente absurdo dizer que, juntamente com a burguesia e com os senhores feudais em barganha, “formam apenas uma massa reacionária” em relação à classe trabalhadora. Alguém proclamou ao artesão, pequenos fabricantes, etc., e camponeses durante
as últimas eleições: em relação a nós, vocês, juntamente com a burguesia e os senhores feudais, formam uma massa reacionária?

Lassalle conhecia o Manifesto Comunista de cor, assim como seus fiéis seguidores conhecem os evangelhos escritos por ele. Se, portanto, ele a falsificou de maneira tão grosseira, isso ocorreu apenas para dar uma boa cor à sua aliança com oponentes absolutistas e feudais contra a burguesia. Além disso, no parágrafo acima, seu ditado oracular é arrastado pela força principal, sem nenhuma conexão com a citação estragada do Regulamento da Internacional.

Portanto, é simplesmente uma impertinência, e de fato nada desagradável para Herr Bismarck, uma daquelas peças baratas de insolência com as quais o Marat de Berlim lida. [Marat de Berlim, uma referência a Hasselmann, editor chefe do Neuer Social-Demokrat]

“A classe trabalhadora esforça-se por sua emancipação, antes de tudo, no quadro dos atuais Estados nacionais, consciente de que o resultado necessário de seus esforços, comuns aos trabalhadores de todos os países civilizados, será a irmandade internacional de povos.”

5-

Lassalle, em oposição ao Manifesto Comunista e a todo o socialismo anterior, concebeu o movimento operário do ponto de vista nacional mais restrito. Ele está sendo seguido nisso – e depois do trabalho da Internacional!

É completamente evidente que, para poder lutar, a classe trabalhadora deve se organizar em casa como uma classe e que seu próprio país é a arena imediata de sua luta – na medida em que sua luta de classes é nacional, não em substância, mas, como diz o Manifesto Comunista, “em forma”. Mas a “estrutura do atual estado nacional”, por exemplo, o Império Alemão, é, por sua vez, economicamente “dentro da estrutura” do mercado mundial, politicamente “dentro da estrutura” do sistema de estados. Todo homem de negócios sabe que o comércio alemão é ao mesmo tempo comércio exterior, e a grandeza de Herr Bismarck consiste, com certeza, precisamente em seguir uma espécie de política internacional.

E para que o partido dos trabalhadores alemães reduz seu internacionalismo? Para a consciência de que o resultado de seus esforços será “a irmandade internacional dos povos” – uma expressão emprestada da Liga burguesa de paz e liberdade, que pretende passar como equivalente à irmandade internacional das classes trabalhadoras na luta conjunta contra as classes dominantes e seus governos. Portanto, nem uma palavra sobre as funções internacionais da classe trabalhadora alemã!

E é assim que deve desafiar sua própria burguesia – que já está ligada à irmandade contra a burguesia de todos os outros países – e a política internacional de conspiração de Herr Bismarck. De fato, o internacionalismo do programa fica infinitamente abaixo do do partido de livre comércio. Este último também afirma que o resultado de seus esforços será “a irmandade internacional dos povos”. Mas também faz algo para tornar o comércio internacional e de modo algum se contenta com a consciência de que todas as pessoas estão realizando o comércio em casa.

A atividade internacional das classes trabalhadoras não depende de forma alguma da existência da Associação Internacional dos Trabalhadores. Esta foi apenas a primeira tentativa de criar um órgão central para a atividade; uma tentativa que foi um sucesso duradouro devido ao impulso que deu, mas que não era mais realizável em sua forma histórica após a queda da Comuna de Paris.

O Norddeutsche de Bismarck estava absolutamente certo quando anunciou, para satisfação de seu mestre, que o Partido dos Trabalhadores Alemães havia jurado o internacionalismo no novo programa.

II

“Partindo desses princípios básicos, o partido dos trabalhadores alemães luta por todos os meios legais para o Estado livre – e – sociedade socialista: a abolição do sistema salarial, juntamente com a lei férrea dos salários – e – a exploração de todas as formas; eliminação de todas as desigualdades sociais e políticas “.

Voltarei ao estado “livre” mais tarde. Assim, no futuro, o partido dos trabalhadores alemães deve acreditar na “lei de ferro dos salários” de Lassalle! Para que isso não se perca, é um absurdo falar em “abolição do sistema salarial” (deve ler-se: sistema de trabalho assalariado) “juntamente com a lei férrea dos salários”. Se abolir o trabalho assalariado, naturalmente abolirei também suas leis, sejam elas de “ferro” ou esponja. Mas o ataque de Lassalle ao trabalho assalariado se volta quase exclusivamente a essa lei. Para provar, portanto, que a seita de Lassalle venceu, o “sistema salarial” deve ser abolido “juntamente com a lei férrea dos salários” e não sem ele.

É sabido que nada da “lei de ferro dos salários” é de Lassalle, exceto a palavra “ferro” emprestada das “grandes e eternas leis de ferro” de Goethe. [1]

A palavra “ferro” é um rótulo pelo qual os verdadeiros crentes se reconhecem. Mas se eu aprovar a lei com o carimbo de Lassalle e, consequentemente, no sentido dele, também devo aceitá-la com sua fundamentação. E o que é isso? Como Lange já mostrou, logo após a morte de Lassalle, é a teoria da população malthusiana (pregada pelo próprio Lange). Mas se essa teoria estiver correta, novamente não posso abolir a lei, mesmo se abolir o trabalho assalariado centenas de vezes, porque a lei governa não apenas o sistema de trabalho assalariado, mas todos os sistemas sociais. Baseando-se diretamente nisso, os economistas provam há 50 anos ou mais que o socialismo não pode abolir a pobreza, que tem sua base na natureza, mas só pode torná-la geral, distribuí-la simultaneamente por toda a superfície da sociedade!

Mas tudo isso não é a principal coisa. Além da formulação falsa da lei de Lassallean, a retrocessão verdadeiramente ultrajante consiste no seguinte:

Desde a morte de Lassalle, afirmou em nosso partido o entendimento científico de que os salários não são o que parecem ser – a saber, o valor ou preço do trabalho – mas apenas uma forma mascarada para o valor ou preço do trabalho poder. Assim, toda a concepção burguesa de salários até então, assim como todas as críticas até então dirigidas contra essa concepção, foram lançadas ao mar de uma vez por todas.

Ficou claro que o trabalhador assalariado tem permissão para trabalhar para sua própria subsistência – isto é, viver apenas na medida em que trabalha por um certo período gratuitamente para o capitalista (e, portanto, também para os co-consumidores de mais-valor) ; que todo o sistema capitalista de produção aumenta o aumento desse trabalho gratuito, prolongando a jornada de trabalho ou desenvolvendo a produtividade – isto é, aumentando a intensidade ou a força de trabalho, etc .; que, conseqüentemente, o sistema de trabalho assalariado é um sistema de escravidão e, de fato, de uma escravidão que se torna mais severa em proporção às forças produtivas sociais do trabalho
se o trabalhador recebe um pagamento melhor ou pior. E depois que esse entendimento ganhou cada vez mais terreno em nosso partido, alguns retornam ao dogma de Lassalle, embora devessem saber que Lassalle não sabia o que eram os salários, mas, seguindo os economistas burgueses, assumiram a aparência pela essência do assunto.

É como se, entre os escravos que finalmente se apossassem do segredo da escravidão e estourassem em rebelião, um escravo ainda atolado em noções obsoletas se inscrevesse no programa da rebelião: a escravidão deve ser abolida porque a alimentação dos escravos no sistema de escravidão não pode exceder um certo máximo baixo!

O simples fato de os representantes do nosso partido serem capazes de perpetrar um ataque tão monstruoso ao entendimento que se espalhou entre a massa do nosso partido não prova, por si só, com que leviandade criminal e com que falta de consciência eles põem em prática na elaboração deste programa de compromisso!

Em vez da frase final indefinida do parágrafo, “a eliminação de toda desigualdade social e política”, deveria-se dizer que, com a abolição das distinções de classe, todas as desigualdades sociais e políticas que surgissem desapareceriam por si mesmas.

[1] Citado em Das Göttliche, de Goethe

III

“O partido dos trabalhadores alemães, a fim de pavimentar o caminho para a solução da questão social, exige o estabelecimento de sociedades cooperativas de produtores com auxílio estatal sob o controle democrático do povo trabalhador. As sociedades cooperativas de produtores serão convocados para a indústria e a agricultura em tal escala que a organização socialista do trabalho total surgirá deles “.

Após a “lei de ferro dos salários” de Lassallean, a física do profeta. O caminho para isso é “pavimentado” de maneira digna. No lugar da luta de classes existente, aparece a frase de um escrevente de jornal: “a questão social”, para a “solução” da qual se “abre o caminho”. Em vez de surgir do processo revolucionário de transformação da sociedade, a “organização socialista do trabalho total” “surge” dos “auxílios estatais” que o Estado concede às sociedades cooperativas de produtores e que o Estado, não os trabalhadores , “chama a existir”.

É digno da imaginação de Lassalle que, com empréstimos estatais, possamos construir uma nova sociedade tão bem quanto uma nova ferrovia!

Dos remanescentes de um sentimento de vergonha, os “auxílios estatais” foram colocados – sob o controle democrático do “povo trabalhador”. Em primeiro lugar, a maioria do “povo trabalhador” na Alemanha consiste de camponeses, não de proletários.

Segundo, “democrático” significa em alemão “Volksherrschaftlich” [pelo governo do povo]. Mas o que significa “controle pela regra do povo do povo trabalhador”?

E particularmente no caso de um povo trabalhador que, por meio dessas demandas que coloca ao Estado, expressa sua plena consciência de que não governa nem está pronto para governar!

Seria supérfluo lidar aqui com as críticas à receita prescrita por Buchez no reinado de Louis Philippe, em oposição aos socialistas franceses e aceitos pelos trabalhadores reacionários do Atelier. A principal ofensa não consiste em ter inscrito essa narração específica no programa, mas em geral dar um passo retrógrado do ponto de vista de um movimento de classe para o de um movimento sectário.

Que os trabalhadores desejam estabelecer as condições para a produção cooperativa em escala social e, em primeiro lugar, em escala nacional, em seu próprio país, significa apenas que eles estão trabalhando para revolucionar as condições atuais de produção, e isso não tem nada em comum com a fundação de sociedades cooperativas com auxílio estatal. Mas, no que diz respeito às sociedades cooperativas atuais, elas só são valiosas na medida em que são criações independentes dos trabalhadores e não protegidas nem pelos governos nem pela burguesia.

IV

Chego agora à secção democrática.

“A base livre do estado.”

A

Em primeiro lugar, de acordo com II, o partido dos trabalhadores alemães luta pelo “estado livre”.

Estado livre – o que é isso?

Não é de forma alguma o objetivo dos trabalhadores, que se livraram da mentalidade estreita de sujeitos humildes, libertar o estado. No império alemão, o “estado” é quase tão “livre” quanto na Rússia. A liberdade consiste em converter o estado de um órgão sobreposto à sociedade em um completamente subordinado a ele; e hoje também as formas de estado são mais livres ou menos livres na medida em que restringem a “liberdade do estado”.

O partido dos trabalhadores alemães – pelo menos se adotar o programa – mostra que suas idéias socialistas nem são profundas; em que, em vez de tratar a sociedade existente (e isso vale para qualquer futura) como a base do estado existente (ou do estado futuro no caso da sociedade futura), trata o estado como uma entidade independente que possui suas próprias bases intelectuais, éticas e libertárias.

E o que dizer do mau uso desenfreado que o programa faz das palavras “estado atual”, “sociedade atual” e do equívoco ainda mais desenfreado que ele cria em relação ao estado ao qual atende suas demandas?

“Sociedade atual” é a sociedade capitalista, que existe em todos os países civilizados, mais ou menos livres da mistura medieval, mais ou menos modificada pelo desenvolvimento histórico particular de cada país, mais ou menos desenvolvido. Por outro lado, o “estado atual” muda com a fronteira de um país. É diferente no Império Prusso-Alemão do que é na Suíça e na Inglaterra é diferente do que é nos Estados Unidos. O “estado atual” é, portanto, uma ficção.

Não obstante, os diferentes estados dos diferentes países civilizados, apesar de sua diversidade heterogênea de formas, todos têm isso em comum: eles são baseados na sociedade burguesa moderna, apenas um mais ou menos desenvolvido capitalisticamente. Eles têm, portanto, também certas características essenciais em comum. Nesse sentido, é possível falar do “estado atual” em contraste com o futuro, no qual sua raiz atual, a sociedade burguesa, terá desaparecido.

Surge então a pergunta: que transformação o estado passará na sociedade comunista? Em outras palavras, que funções sociais permanecerão lá análogas às funções estatais presentes? Essa pergunta só pode ser respondida cientificamente, e não se chega mais perto do problema com uma combinação mil vezes maior da palavra “pessoas” com a palavra “estado”.

Entre a sociedade capitalista e a comunista, está o período da transformação revolucionária de uma em outra. Correspondendo a isso, há também um período de transição política em que o Estado não pode ser senão a ditadura revolucionária do proletariado. Agora, o programa não lida com isso nem com o futuro estado da sociedade comunista.

Suas demandas políticas não contêm nada além da antiga ladainha democrática familiar a todos: sufrágio universal, legislação direta, direitos populares, milícia popular etc. Eles são um mero eco do partido do povo burguês, da Liga da Paz e da Liberdade. São todas exigências que, na medida em que não são exageradas em apresentações fantásticas, já foram realizadas. Somente o estado ao qual pertencem não se encontra dentro das fronteiras do Império Alemão, mas na Suíça, nos Estados Unidos etc. Esse tipo de “estado do futuro” é um estado atual, embora exista fora da “estrutura” “do Império Alemão.

Mas uma coisa foi esquecida. Como o partido dos trabalhadores alemães declara expressamente que age dentro do “estado nacional atual”, portanto, dentro de seu próprio estado, o Império Prusso-Alemão – suas demandas seriam, de fato, de outra forma, em grande parte sem sentido, uma vez que se exige apenas o que não se tem. entendeu – não deveria ter esquecido o principal, a saber, que todas essas pequenas bobagens repousam no reconhecimento da chamada soberania do povo e, portanto, são apropriadas apenas em uma república democrática.

Como não se tem coragem – e sabiamente, pois as circunstâncias exigem cautela – para exigir a república democrática, como fizeram os programas operários franceses de Louis Philippe e de Louis Napoleon, também não se deveria recorrer ao subterfúgio, nem “honesto” [1] nem decente, de exigir coisas que só têm significado em uma república democrática de um Estado que nada mais é do que um despotismo militar vigiado pela polícia, embelezado com formas parlamentares, aliado a uma mistura feudal, já influenciada pela burguesia e burocraticamente carpinteiro, e depois garantir a esse estado uma barganha que se imagina poder forçar tais coisas “por meios legais”.

“O partido dos trabalhadores alemães exige como base intelectual e ética do estado:” 1. Ensino fundamental universal e igual pelo Estado. Frequência escolar obrigatória universal. Livre instrução.”

B.

“Educação elementar igual”?

Que ideia está por trás dessas palavras?

Acredita-se que na sociedade atual (e é apenas com isso que se deve lidar) a educação pode ser igual para todas as classes? Ou é exigido que as classes altas também sejam obrigatoriamente reduzidas ao mínimo de educação – a escola primária – que por si só é compatível com as condições econômicas, não apenas dos assalariados, mas também dos camponeses?

“Frequência escolar obrigatória universal. Instrução gratuita.”

O primeiro existe até na Alemanha, o segundo na Suíça e nos Estados Unidos, no caso das escolas primárias. Se em alguns estados do último país as instituições de ensino superior também são “gratuitas”, isso significa apenas de fato custear o custo da educação das classes altas das receitas fiscais gerais. A propósito, o mesmo vale para a “administração gratuita da justiça” exigida em A, 5. A administração da justiça criminal deve ser gratuita em todos os lugares; a da justiça civil preocupa-se quase exclusivamente com conflitos de propriedade e, portanto, afeta quase exclusivamente as classes possuidoras. Eles devem continuar seus litígios às custas dos cofres nacionais?

Este parágrafo sobre as escolas deveria ter exigido pelo menos escolas técnicas (teóricas e práticas) em combinação com a escola primária.

“O ensino fundamental pelo estado” é totalmente censurável. Definir por lei geral as despesas com as escolas primárias, as qualificações do corpo docente, os ramos de instrução etc., e, como é feito nos Estados Unidos, supervisionar o cumprimento dessas especificações legais pelos inspetores estaduais, é um coisa muito diferente de nomear o estado como educador do povo! O governo e a igreja devem ser igualmente excluídos de qualquer influência sobre a escola.

Particularmente, de fato, no Império Prusso-Alemão (e não se deve refugiar-se no podre subterfúgio de que se está falando de um “estado do futuro”; vimos como as coisas são a esse respeito) que o Estado precisa, pelo contrário, de uma educação muito severa por parte do povo.

Mas todo o programa, apesar de todo o seu clang democrático, é manchado pela crença servil da seita lassaleana no estado, ou, o que não é melhor, pela crença democrática em milagres; ou melhor, é um compromisso entre esses dois tipos de crença em milagres, ambos igualmente distantes do socialismo. “Liberdade da ciência” diz o parágrafo da Constituição da Prússia. Por que, então, aqui?

“Liberdade de consciência”! Se alguém desejasse, neste momento do Kulturkampf, para lembrar o liberalismo de suas antigas palavras de ordem, certamente poderia ter sido feito apenas da seguinte forma: Todos deveriam poder atender às suas necessidades religiosas e corporais sem que a polícia ficasse de nariz. Mas o Partido dos Trabalhadores deve, de qualquer forma, expressar sua consciência do fato de que a “liberdade de consciência” burguesa não é senão a tolerância de todos os tipos possíveis de liberdade de consciência religiosa, e que, por sua em parte, esforça-se por libertar a consciência das bruxas da religião. Mas escolhe-se não transgredir o nível “burguês”. Agora cheguei ao fim, pois o apêndice que agora segue no programa não constitui uma parte característica dele. Por isso, posso ser muito breve.

[1] Epitáfio usado pelos Eisenachers. Aqui um jogo de palavras em alemão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: