Culpado! Você votou nele…

Há um esforço messiânico da produção de um sentimento de culpa e, por vezes, vexatório ao eleitores do famigerado presidente do Brasil. Há, por vezes, uma perseguição nos mesmos moldes aos modestos guardadores da moral e da tradição em prol da família brasileira. E, é, justamente nesse tensionamento, que pode, quiçá, esboçar o porque milhares de progressistas preferiram votar no Messias ao dar uma nova chance ao lulopetismo, seja o projeto original, ou o travestido de “novo”.

Utilizando o mesmo argumento da boiada, que tenta simplificar a complexidade social e cultural do país a duas grandes torcidas de futebol, o que tem irritado muita gente que luta bravamente contra a desigualdade social, mas tal argumento é o “truco” do progressista que ao analisar qualquer fato tenta culpabilizar o eleitor que votou no Bolsonaro.

Há, para os pensantes, um desgaste histórico surreal no momento que uma fissura derrubou toda a arrogância do governo do PT, que em determinado momento se julgava acima do bem e do mal, possuidores da torá, da arca da aliança ou do manual progressista de como tirar um país da miséria intelectual ou econômica.

E aqui, não abordarei sobre o modus operandi de um partido que vira governo, quero apenas ressaltar que cada vez que um progressista separa, num balaio, os que votaram no Bolsonaro aos que não votaram, agem no mesmo raciocínio míope deste grupelho negacionistas de plantão.

Não há, numa democracia, o certo ou o errado. É votando que se aprende. E não dá para ter certeza do que acontecerá; aliado a isso a passionalidade do brasileiro que transforma tudo numa discussão de torcida de futebol: pode ter muito bem justificado o voto no Bolsonaro, seja por ressentimento, desilusão, desânimo. Ou no meu caso, a utopia de ver um país sendo pacificado. A questão é que existem inúmeros argumentos sociais, passionais, dentre outros para justificar o voto no Bolsonaro ao invés da continuidade. Uma ruptura? Um “acorda”!

Pois bem, justificado o preâmbulo desse artigo, peço que toda vez que você quiser separar o país entre azul e vermelho, culpados e inocentes, lembre-se de que nesse tipo de argumento é que dorme num sono corriqueiro o argumento do “antipolítico”, da “antipolítica”, o germe que frutificou dentro da criminalização da política, que disseminou ódio a classe política e que convergiu, por diversos momentos em nossa história, sobretudo, no caso do genocida, o país a beira do abismo.

É preciso uma pacificação e ela começa pela mudança no uso do argumento “lembrando que tal fulano votou no Bolsonaro”. Porque, como já perceberam, só o lado vermelho desse país continental não ganha eleição sozinho. Precisarão perdoar ou ter o discernimento de que é preciso uma união em prol do país! É preciso resgatar a bandeira do Brasil que é de todos! O país não pode ficara mercê de duas torcidas ou do fanatismo pernicioso que assola o país desde 1917…

Antonio Archangelo é publicitário, jornalista, gestor público, professor e pesquisador.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s