O Grito do Morro

O problema brasileiro é muito mais do que números e técnicas de gestão. É preciso pontuar tal fato para que fique claro que o passado tem consequências futuras. Esse é o impasse, seja educacional ou social, sensibilizar a população de que algumas escolhas nos levaram a essa grande dicotomia: de um lado os descamisados e do outro a Casa Grande.

Um e outro são as faces da mesma moeda. Enquanto o primeiro empurra os senhores do engenho para seus palacetes, o outro não possui a liberdade de outrora já que vive refém de uma segurança fictícia. A história do Brasil é feita de sangue derramado, por mais que a historiografia tente criar engodos, no presente é possível ver que a situação de hoje vem dos gritos do morro, o morro destinado a uma legião de libertos miseráveis.

Meu caro, não é opinião. É fato. E voltemos à gestão, o primeiro passo enquanto governo é saber reconhecer tal fato. As políticas públicas devem de fato trazer ou criar condições para um reparo social? Ou apostaremos nossas fichas em capitães do mato que brutalmente tentarão amenizar?

Até quando ficaremos enxugando gelo? Essa reflexão é primordial para pensarmos o país e as cidades do futuro. Como pode perceber é uma questão educacional e uma questão social.  Não teremos segurança sem justiça social, não teremos justiça social sem reconhecer reparos históricos. E isso vai além de criar entidades para distribuição de comida. De clubes ou sociedades do bem comum para articulam a distribuição de esmolas. Louvado seja Rui Barbosa que evitou que a “libertação” virasse o maior golpe financeiro do país, com milhões de indenizações aos senhores de escravos.

E que no começo de 2022 possamos reconhecer Rebouças, José do Patrocínio, e também os heróis renegados da negritude e dos povos indígenas que foram massacrados e jogados na vala comum. E, talvez, nesse dia, poderemos pactuar uma nova sociedade e não ficaremos inertes a escândalos como o linchamento do congolês Moïse Kabagambe!

Publicado em: https://www.j1diario.com.br/o-grito-do-morro-por-antonio-archangelo/

* Antonio Archangelo é gestor, pesquisador e professor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s